Jéssica Pereira/Divulgação
Jéssica Pereira/Divulgação

Ativistas protestam contra uso de animais em laboratório

Ato organizado nas redes sociais teve o objetivo de impedir a continuação de testes em animais no laboratório Tecam, em São Roque

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

27 Abril 2014 | 19h08

SOROCABA - Cerca de 200 ativistas em defesa dos animais fizeram um protesto, neste domingo, 27, em frente ao laboratório Tecam, em São Roque, no interior de São Paulo. O movimento, chamado "Comboio pela Vida" e organizado por meio das redes sociais, objetivava impedir a continuação de testes com animais no laboratório. A Polícia Militar montou um cordão com homens e viaturas para evitar a invasão da unidade.

A maioria dos manifestantes era da Capital e havia seguido para São Roque após se reunir em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp). Outros grupos seguiram de cidades do interior. Parte dos ativistas vestia roupas escuras e portava cartazes com faixas contra o uso de animais em experimentos. O deputado Ricardo Izar (PSD), que participou da manifestação, disse que o objetivo era tornar pública a luta em favor dos animais. Um trio elétrico foi usado no protesto. Os ativistas exigiam a soltura dos animais existentes no local, mas não foram atendidos. Eles prometem organizar nova manifestação. O laboratório informou que todas as suas atividades são autorizadas, fiscalizadas e que usa apenas camundongos em testes.

Instituto Royal. Em outubro do ano passado, o Instituto Royal, outro laboratório existente em São Roque, foi invadido e depredado por ativistas, com o apoio do movimento conhecido como black blocs. Os manifestantes levaram do local 178 cães da raça beagle e sete coelhos. Em nova invasão, libertaram cerca de duzentos camundongos. No mês seguinte, o instituto fechou as portas, alegando perdas irreparáveis e falta de segurança para manter a unidade em funcionamento. Inquéritos que apuram tanto os maus tratos contra os animais como o furto dos cães ainda estão em andamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.