Ataque contra viatura da Guarda Civil de Cotia mata um e deixa dois feridos

Segundo um guarda civil, ataque foi uma represália à prisão de um dos líderes do PCC no município

Bruno Lupion, do estadão.com.br

20 Abril 2010 | 08h23

Criminosos usaram um fuzil, uma metralhadora, pistolas e uma escopeta calibre 12

 

SÃO PAULO - Um policial militar morreu e dois guardas civis ficaram feridos durante ataque com alto poder de fogo contra uma viatura da Guarda Civil de Cotia, região metropolitana de São Paulo, na noite de segunda-feira, 19. A viatura, que estava em um posto de gasolina, foi perfurada mais de 20 vezes por tiros, e uma das paredes do local apresentava mais de 60 marcas de bala.

 

Segundo testemunhas, entre seis e dez homens chegaram ao posto por volta das 20 horas em dois carros - uma Fiat Strada prata e um Fiat Pálio Weekend chumbo - e começaram a atirar contra a viatura da Guarda Civil. Os criminosos portavam um fuzil, uma metralhadora 9 mm, uma escopeta calibre 12 e pistolas .40 e 380, afirmou o guarda civil José Roberto Augusto após análise das cápsulas encontradas no chão.

 

O soldado da PM Kleberson Toledo, 32 anos, estava no local conversando com os guardas civis e tentou se proteger atrás da viatura durante a ofensiva, mas foi atingido na cabeça por um tiro de fuzil e morreu antes de chegar ao hospital. O guarda civil Jucinei Souza de Oliveira, 30, foi atingido por um tiro de fuzil na perna e sofreu fratura exposta, mas não corre risco de vida. Seu colega Anísio Vieira de Jesus, 47, foi alvejado na coxa e na barriga e também está fora de perigo.

 

O Gol da Guarda Civil foi destroçado pelos tiros. Uma das perfurações, do lado esquerdo, tinha cinco centímetros de diâmetro, e os quatro pneus estavam furados. Segundo Augusto, o ataque teve como objetivo "intimidar" a Guarda Civil de Cotia, que prendeu, na semana passada, um dos líderes do Primeiro Comando da Capital no município.

 

"Esta ação foi uma represália à prisão de um dos líderes do crime organizado", disse Augusto. Segundo ele, a Guarda Civil de Cotia é "muito atuante" e responde por cerca de 80% das ocorrências na cidade.

 

Os dois carros utilizados na ação foram localizados algumas horas depois, no próprio município. O Fiat Strada estava no fim da Rua Nigéria, com um carregador de metralhadora 9 mm deixado no banco do passageiro. A Pálio Weekend estava na Rua Austrália.

 

Djalma dos Santos, 48 anos, suspeito de participar da ação, foi preso na Rodovia Raposo Tavares, próximo à rua onde o Fiat Strada foi localizado, e encaminhado ao 1º DP de Cotia.

 

Texto atualizado em 21 de abril.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.