Assalto com reféns acaba com PM e suspeito mortos na zona sul de SP

Outro policial também foi baleado, mas não corre risco de morte; reféns foram liberados ilesos

João Paulo Carvalho e Pedro da Rocha, estadão.com.br

07 Dezembro 2011 | 23h45

SÃO PAULO - O major Sandro Moretti Silva Andrade, subcomandante do 1º Batalhão da Polícia Militar (PM), e um assaltante morreram após troca de tiros em uma loja de construção no Jardim Regina, zona sul de São Paulo, no início da noite desta quarta-feira, 7. O soldado da PM Cesar Aurélio Cavalcanti também foi baleado, mas não corre risco de morte.

 

No momento em que foi atingido, o major não usava colete à prova de balas. Ele negociava com o assaltante a liberação de sete pessoas, mantidas reféns na loja. De acordo com nota emitida pela PM, Andrade "ao se dirigir para a ocorrência não o utilizou (colete balístico) conforme normas da Polícia Militar quanto ao uso de tal equipamento em situações de deslocamentos e atividades ostensivas".

 

Andrade, que tinha 46 anos, trabalhava na PM há 26 anos, atualmente em função administrativa. Era casado e pai de três filhos.

 

Segundo informações da PM, três bandidos invadiram a loja de material de construção em M'Boi Mirim, na altura do número 2.454, para assaltarem o estabelecimento. Quando estavam deixando o local, entretanto, os homens avistaram uma viatura da PM e decidiram retornar à loja. Sete funcionários foram feitos reféns.

 

A polícia cercou o estabelecimento. O helicóptero Águia e o Grupo de Ações Táticas Especiais, da PM, também foram acionados para ajudar no cerco. O tiroteio começou quando um dos suspeitos negociava a liberação dos reféns.

 

Dois assaltantes conseguiram fugir antes dos disparos. Todos os reféns foram liberados sem ferimentos, de acordo com informações da PM. Andrade deu entrada no Hospital Municipal M'Boi Mirim em estado de choque e morreu antes de chegar à sala de cirurgia. O assaltante chegou morto ao mesmo hospital. O soldado permanece internado, está estável e não corre risco de morte.

 

A PM informou que "a Corregedoria da Polícia Militar através da equipe que apura casos onde policiais militares são vitimas de crime está investigando o caso".

 

Atualizado às 5h05

Mais conteúdo sobre:
assalto PM zona sul polícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.