Asfalto do Minhocão ganha flores no fim de semana

Artista fez intervenção temporária numa das principais ligações entre as zonas leste e oeste de São Paulo

Ítalo Reis, estadao.com.br

05 Outubro 2009 | 18h49

 

SÃO PAULO - E de repente o Minhocão ganhou flores. O tom cinzento do asfalto ganhou traços brancos que não pertenciam às faixas de sinalização da pista e deram um novo ar à via. Fechado para os pedestres aos fins de semana, o Elevado General Arthur da Costa e Silva, conhecido pelo trânsito intenso durante a semana, "desabrochou" em 15 minutos no domingo com a ajuda do fotógrafo e artista plástico Felipe Morozini.

 

O elevado foi tomado por 30 pessoas que, munidas com cal, começaram a pintar a primavera no chão. "Faz três anos que eu quero fazer essas flores, pois acho o Minhocão uma obra muito agressiva", afirma o artista, que há oito anos mora no último andar de um prédio que fica em frente à via ("uma vista incrível"), uma das principais ligações entre as zonas leste e oeste de São Paulo, passando pelo centro da cidade.

 

"Eu vivo aqui por que quero, mas as (outras) pessoas moram por falta de opção. Gostaria de dar a elas essa oportunidade (de ver algo diferente do trânsito)", diz Morozini, explicando que o apartamento é herança de uma bisavó. Todas as pessoas envolvidas na intervenção urbana são amigos do artista. Por enquanto, ele não pensa em fazer nenhuma obra em outro ponto da cidade. "Para fazer isso eu penso no meu entorno, minha cabeça vai em melhorar a vida das pessoas do entorno".

 

 

 

Além disso, o desejo de participar de um festival de documentários sobre arte na rua, que vai ser realizado em Nova York, também mobilizou Morozini a agir. "Foi o que me motivou". Mas então por que não usar tinta e dar mais cor ao asfalto? "Porque é proibido". Só isso? Não. "O intuito é fazer as pessoas pensarem. Ninguém quer estragar a cidade", explica-se, dizendo que também é interessante o fato de o cal sair na chuva.

 

E como uma obra, provocou diferentes reações nas pessoas. Segundo o artista, uma pessoa disse que era bonito por ser primavera. Outra falou que alguém pensando positivamente na região já era uma boa coisa. E uma mulher acabou ligando para a polícia e disse que o Minhocão estava sendo pichado. "A polícia chegou, mas foi bacana", disse Morozini, que informou que o cal iria sair com água.

 

Intuito de fazer intervenções artísticas em outros pontos Morozini não diz ter, mas quem sabe mais alguma coisa no elevado. Agora eu já pensei em fazer outro e aumentar um metro a cada ano". Outro desejo do artista é ver àquela região central mais colorida. "Eu acho grafite lindo. Meu sonho é que todos os prédios do minhocão pintados por grandes grafiteiros".

Mais conteúdo sobre:
Felipe Morozini Minhocão urbanismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.