As curvas de um guepardo

O guepardo é o mais rápido dos animais, atingindo 105 km/h. Mas até esta semana não conhecíamos sequer a metade da capacidade atlética de um guepardo, agora revelada em um estudo cuidadoso e detalhado.

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

15 Junho 2013 | 02h05

Cientistas ingleses construíram uma coleira capaz de fornecer informações sobre a locomoção dos guepardos. Ela contém um GPS, um acelerômetro (capaz de medir aceleração e desaceleração), um giroscópio (capaz de detectar mudanças de direção), um chip de memória para guardar os dados antes de serem enviados por um rádio, duas baterias elétricas para fazer funcionar o sistema e um célula solar para carregar as baterias. Tudo em uma coleira que pesa 340 gramas.

A coleira foi testada em um cachorro numa praia deserta. Isso permitiu correlacionar os dados coletados pela coleira com as marcas das patas deixadas na areia. A precisão do sistema é de 20 centímetros e menos de um décimo de segundo. Isso quer dizer que é possível utilizar os dados enviados pela coleira para saber onde o animal estava (com um erro de 20 cm) em que momento (com um erro menor que 1 segundo). Quando esses dados são sobrepostos em imagens de satélite é possível determinar se durante uma corrida o animal passou pelo lado esquerdo ou direito de uma árvore que estava em seu caminho.

Três guepardos fêmea e dois machos que vivem em Botswana foram anestesiados e receberam coleiras. Durante 17 meses essas coleiras enviaram sinais para os cientistas. Com base nesses dados foi possível estudar detalhadamente 367 perseguições.

Quando a caçada é um sucesso, o guepardo passa os momentos seguintes sacudindo a cabeça para matar e devorar a presa. Como esse movimento pode ser detectado pela coleira é possível saber quando a perseguição foi bem-sucedida, o que ocorre em 26% das tentativas. Cada tentativa de capturar a presa envolve, em média, um corrida de 173 metros, sendo que a mais longa observada foi de 559 metros. Os guepardos tentam capturar uma presa, em média, 1,3 vezes por dia e, portanto, matam uma presa a cada três dias. Mas eles andam muito para procurar as presas, 6 km por dia.

O mais interessante é o que ocorre durante as caçadas. Ela começa com uma aceleração quase instantânea que leva o animal a uma velocidade de 33 km/h em menos de um segundo. Desse ponto em diante, a velocidade cresce até quase 80 km/hora, mas não de maneira linear. Durante a corrida, ela desacelera e acelera bruscamente de cinco a dez vezes. Essas mudanças bruscas de velocidade acontecem quando o animal muda de direção, o que ocorre diversas vezes durante os 20 segundos que dura a perseguição. As medidas indicam que o guepardo é capaz de desacelerar muito mais rapidamente do que é capaz de acelerar. No final da corrida o animal faz uma grande curva de quase 180 graus e então a presa é capturada.

O que mais impressionou os cientistas, e é totalmente inesperado, foi o fato de os animais serem capazes de mudar de direção tão rapidamente e em alta velocidade, algo que nunca havia sido registrado em qualquer outro ser vivo. Outro fato interessante é que as caçadas ocorrem geralmente antes do sol nascer ou depois do pôr do sol. Por esse motivo, as caçadas que foram filmadas até hoje provavelmente não são uma boa amostragem do que é capaz um guepardo. Os cientistas concluíram que os guepardos não utilizam sua velocidade máxima na grande maioria das caçadas, mas sempre usam sua capacidade de frear e acelerar e de fazer curvas rápidas.

Todos esses dados sugerem que os guepardos não correm diretamente em direção à presa, mas fazem uma espécie de zigue-zague do lado e atrás da presa na primeira etapa da caçada. Em seguida, aceleram muito, ultrapassam a presa ou fazem uma curva mais fechada que a presa para ganhar terreno e alcançam a gazela pelo lado ou quase de frente. Em outra palavras, o guepardo não corre simplesmente atrás da presa e a vence na corrida, mas utiliza uma estratégia muito mais sofisticada, que envolve desorientação da presa e sua capacidade de fazer curvas mais fechadas para se aproximar do alvo.

A conclusão é que os guepardos são atletas muito mais sofisticados do que imaginávamos. Acabou a ideia de que eles são exímios corredores. Eles são capazes de acelerar e desacelerar rapidamente e fazer curvas fechadas em altas velocidades, e é a combinação dessas habilidades que permite que eles sejam caçadores eficientes.

Agora os cientistas planejam usar essas coleiras para analisar animais que caçam em grupo e somam esforços para capturar a presa, como os leões. Tudo indica que nos próximos anos vamos aprender muito sobre a estratégia de caça dos felinos.

Mais conteúdo sobre:
Fernando Reinach

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.