Divulgação/PM
Divulgação/PM

Após rebelião e fugas, parte de cadeia será desativada em Bauru

Motim na unidade levou à fuga de 152 detentos, dos quais 111 foram recapturados até esta quinta; pavilhões foram danificados pelo fogo

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2017 | 19h48

SOROCABA - A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) vai desativar parte dos alojamentos do Centro de Progressão Penitenciária (CPP3), de Bauru, interior de São Paulo, destruídos durante rebelião e fuga em massa de presos, na terça-feira, 24. As instalações estão sendo avaliadas pela SAP. Imagens divulgadas pela polícia mostram a grande destruição causada pelas depredações e incêndios durante o motim.

Os três pavilhões foram severamente danificados depois que os detentos atearam fogo em colchões, móveis e material usado nas oficinas de trabalho. A SAP informou que apenas uma parte dos 1.417 detentos que estavam no regime semiaberto da unidade devem permanecer no local. A maioria está sendo transferida para outros presídios com regime correspondente.

Já os presos envolvidos na rebelião, inclusive os que fugiram e foram recapturados, regredirão para o regime fechado. Até a tarde desta quinta-feira, 26, dos 152 detentos que escaparam, 111 tinham sido recapturados. A Polícia Militar, com apoio do policiamento rodoviário, mantém as buscas na região pelos 41 presos ainda foragidos.

Mais conteúdo sobre:
SOROCABA SAP Bauru são paulo Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.