Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Após queda de secretário, conselheiros do Verde se demitem

Cinco dos sete membros do conselho gestor da Secretaria do Verde e Meio Ambiente renunciaram ao cargo em protesto contra a demissão de Gilberto Natalini

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

22 Agosto 2017 | 21h27

SÃO PAULO - Em protesto contra a demissão de Gilberto Natalini da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, na última sexta-feira, 18, cinco dos sete membros do conselho gestor da pasta decidiram deixar o órgão no início desta semana. Vereador pelo PV, ele reassume mandato nesta quarta-feira, 23, na Câmara Municipal de São Paulo.

Os conselheiros Arlindo Phillippi Júnior, Carlos Rittl, Consuelo Yoshida, Eduardo Jorge e Roberto Klabin se reuniram na última segunda-feira, 21, e redigiram uma carta criticando a demissão de Natalini pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB). Segundo eles, a decisão foi tomada "sem argumentos de base técnica e por interesses de composições partidárias". Os outros dois membros do grupo, André Vilhena e Paulo Pompilio, não participaram da reunião.

Natalini foi demitido em meio a uma crise envolvendo os licenciamento ambiental de obras na capital, com denúncias de fraudes, e o desejo de Doria em abrir cargos na Prefeitura para abrigar mais dois partidos aliados, o PSB e o PR. Segundo o ex-secretário, havia uma série de irregularidades nos processos e ameaças a servidores para liberarem os empreendimentos.

“Estamos preocupados com o que pode acontecer a partir de agora. A secretaria, apesar da limitação de recursos, vinha sendo bem administrada e adotado um modelo de comportamento ético do servidor público”, disse Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima. 

Os conselhos gestores foram criados por Doria no início da gestão com o objetivo de reunir pessoas “notáveis” em cada área da administração para prestarem consultoria à Prefeitura sem remuneração. Procurada, a gestão Doria não comentou a decisão dos conselheiros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.