Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Após caos no trânsito em dia de jogo, Haddad negocia feriado na segunda

São Paulo

São Paulo

feriado

Após caos no trânsito em dia de jogo, Haddad negocia feriado na segunda

Câmara deve oferecer projeto já aprovado em primeira discussão e incluir emenda que assegure o feriado

0

Adriana Ferraz e Rafael Italiani,
O Estado de S. Paulo

18 Junho 2014 | 12h00

Atualizado às 12h55

 SÃO PAULO - O dia de caos no trânsito vivido nesta terça-feira, 17, pelo paulistano fez  o prefeito Fernando Haddad (PT) retomar conversas com a Câmara Municipal para transformar em feriado a próxima segunda-feira, 23, dia de jogo decisivo entre Brasil e Camarões. A Prefeitura teme que o congestionamento seja ainda pior que o da terça-feira, uma vez que no mesmo dia, às 13h, Holanda e Chile se enfrentam em Itaquera, na zona leste. 

O jogo do Brasil está marcada para as 17h. No entanto, das 15h até o início da partida da seleção brasileira, a Radial Leste fica interditada por conta do jogo na Arena Corinthians. Ou seja, muitos paulistanos que sairão do trabalho mais cedo para ver o jogo, caso não haja feriado, irão encontrar a via fechada. 

Para viabilizar a tempo o novo feriado, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, desmarcou agenda pública marcada para a manhã desta quarta e marcou reunião à tarde com representantes da Prefeitura e da Câmara em seu gabinete. A solução mais provável é apresentar uma emenda a um projeto de lei que já tenha sido votado em primeira discussão pelos vereadores. 

O líder do governo na Câmara, vereador Arselino Tatto (PT), afirmou ao Estado que a ideia é possível de ser concretizada. "O presidente da Casa, José Américo (PT), já me informou da vontade do prefeito. Acho interessante, dado o inferno que a cidade viveu ontem."

O pedido de Haddad, no entanto, deve travar os debates entorno na votação do Plano Diretor, marcados para hoje. Como amanhã é feriado, os vereadores precisam correr para aprovar hoje mais esse dia de folga na cidade. Para ser considerada válida, a lei precisava ser aprovada na Câmara e sancionada pelo prefeito antes de segunda-feira.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.