Após assassinato de PM, chacina deixa 7 mortos na zona norte

Comandante morto na quarta era responsável pela investigação da participação de PMs em grupo de extermínio

Andressa Zanandrea, do Jornal da Tarde, e Ricardo Valota, do estadao.com.br,

17 Janeiro 2008 | 06h07

Quase 16 horas depois do assassinato do coronel José Hermínio Rodrigues, sete pessoas foram mortas em uma chacina na zona norte de São Paulo. O crime aconteceu por volta das 2h40 desta quinta-feira, 17, em um bar no Jardim São Luís. O comandante da PM era responsável pelas investigações de chacinas na região e foi assassinado com cinco tiros no fim da manhã de quarta-feira, 16. Na primeira chacina do ano na capital, uma mulher e seis homens foram mortos. Além deles, duas pessoas ficaram gravemente feridas e foram levadas a um pronto-socorro do Jaçanã.   Comandante da PM é assassinado na zona norte Coronel disse que corria risco  Polícia caça pela zona norte assassino de coronel da PM  ''Para ele, certo era certo e errado era errado'', diz amigo de PM assassinado       As vítimas estavam no Bar Bad Boy, na Avenida Pedro de Souza Lopes, quando pelo menos três homens chegaram e atiraram com pistolas calibre 380 e 9 milímetros. A maioria dos disparos atingiu a cabeça das vítimas. O dono do estabelecimento, que se escondeu atrás do balcão, foi poupado. "Vi da janela de casa que eles chegaram a pé, atiraram, andaram mais para a frente, recarregaram as armas, voltaram, atiraram mais e foram embora. Foi muito tiro", conta um copeiro, de 43 anos, que mora nas proximidades do local do crime.   O nome das vítimas da primeira chacina do ano na capital não havia sido confirmado até a manhã desta quinta. No total, havia dez pessoas no bar, incluindo o dono do estabelecimento. Entre os mortos, há uma faxineira de uma padaria próxima; um lixeiro, conhecido como Rambinho; um carroceiro, conhecido como Pretinho; um vendedor de uma loja de tênis; um surdo-mudo conhecido como Mudinho; e um cobrador de ônibus. Após atirarem nas nove pessoas, eles se afastaram do local, recarregaram as armas, voltaram e dispararam novamente.   Os dois feridos, um deles um taxista, foram levados ao pronto-socorro do Jaçanã, em estado grave. Testemunhas contaram que, mesmo baleado, o taxista telefonou para a mulher e avisou que estava sendo levado ao hospital.   Chacinas na zona norte   Assassinado na manhã de quarta, o coronel José Hermínio Rodrigues era um dos oficiais que investigava a possível participação de  policiais militares nas chacinas ocorridas na zona norte. Em toda a capital paulista, 47 pessoas morreram nas 12 chacinas registradas em 2007.   A periferia da zona norte liderou o ranking de chacinas da capital em 2007. Das 11 registradas até setembro passado, oito ocorreram na região, com saldo de 26 mortos. Só duas foram solucionadas, ambas com envolvimento de PMs. Dois estão detidos, à espera de julgamento. Nas demais regiões, foram 11 mortos. A forma de agir dos assassinos era quase sempre a mesma. Homens de capacetes escuros surgiam de madrugada em motos e usavam pistolas calibre 40, arma padrão da polícia. Em janeiro de 2007, no Jardim Brasil, quatro pessoas foram assassinadas e um soldado foi preso pela polícia. Em maio, seis jovens foram mortos no Jaraguá. Um cabo da PM envolvido no crime foi preso. Em outros casos investigados, policiais do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) obtiveram indícios de que havia a participação de policiais militares nos crimes. Um deles envolvia suspeitas contra integrantes da Força Tática do 18º Batalhão da PM e de integrantes das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). O crime aconteceu em 1º de fevereiro de 2007, no Jardim Elisa Maria. Quatro homens, que chegaram em um Palio, dominaram sete jovens, mandaram-nos virar de costas e atiraram - só um sobreviveu.   Texto alterado às 8h49 para acréscimo de informações.    

Mais conteúdo sobre:
PM morto chacina chacina na zona norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.