Sérgio Castro/ Estadão
Sérgio Castro/ Estadão

Após roubo, Ronnie Von critica impunidade, mas descarta deixar País

Cantor e apresentador voltava para casa com a mulher quando foi abordado por quatro bandidos armados na madrugada de segunda

Raquel Brandão, O Estado de S. Paulo

17 Dezembro 2015 | 12h18

SÃO PAULO - De mãos dadas e assustados, o cantor e apresentador Ronnie Von e a mulher, Maria Cristina Rangel, voltaram para casa, no Morumbi, na zona sul de São Paulo, no começo da madrugada desta segunda-feira, 14. Pouco depois da meia-noite, o casal sofreu um assalto nas imediações da Marginal do Pinheiros a poucos quilômetros da entrada do bairro. "A Kika (Maria Cristina) estava dirigindo e sempre cortamos caminho pela Marginal. Ela só me falou 'dançamos'. Eles ultrapassaram e fecharam nosso carro. Eram em quatro, nos levaram tudo", relata Ronnie. Além do veículo - uma BMW série 5-, a bolsa de Cristina, um relógio, alianças, celulares e os documentos do casal foram roubados.

"Puxaram meu relógio com violência e saiu um sangue danado. No nervosismo, a Kika pensou que eu tivesse levado um tiro", conta o apresentador. Ele, ao contrário da mulher, que já havia sido sequestrada, nunca tinha passado por situação semelhante. "Talvez eu fosse o único brasileiro (a nunca ser assaltado), pois na segunda-feira pedi em meu programa que quem nunca tivesse sido assaltado, levantasse a mão. Nada aconteceu. Todos os câmeras, produtores, assistentes, diretores... Todo mundo."

"Nós estamos tolhidos de um direito constitucional, o direito de ir e vir. Que país é esse em que você sai e agradece por voltar para casa?", reclama o cantor, que acredita que hoje o brasileiro tenha perdido o patriotismo. "Toda aquela brasilidade quase ufanista, que nós tínhamos, está desaparecendo."

Para ele, a cultura e o cenário político naturalizaram situações de violência. "É o país do jeitinho e da impunidade. E na medida em que se fala de violência, você também percebe que todo o sistema está deteriorado. Nossos legisladores foram eleitos por nós, mas só servem a si próprios. Agora só se fala em impeachment. Nós merecemos outro tipo de coisa que não é basicamente isso."

No entanto, Ronnie Von nega que tenha a intenção de sair do País. "Tenho um filho que mora nos Estados Unidos e por isso as pessoas têm falado. Eu não vou sair do Brasil. Eu tenho um comprometimento com a cultura nacional, o social, e, fundamentalmente, com algum valor que ainda exista nesse país", desabafa o cantor. "Fora daqui, você sempre vai ser o estrangeiro, estar fora do eixo."

Susto.  Após um jantar com amigos, o casal voltava para casa, quando foi surpreendido. "O Morumbi, em si, não tem nada [de problema]. Eu moro aqui desde que me mudei do Rio para São Paulo. Mas para entrar e sair, a coisa é mais complexa", diz Ronnie Von. De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP), quase dez assaltos foram registrados por dia na região apenas neste ano. "A pior sensação é a de impotência. E a sorte é que era ela quem estava dirigindo, porque, se fosse eu, não iria parar. Com um carro de 320 cavalos, eu aceleraria."

De acordo com o artista, os bandidos ainda o teriam reconhecido. "Tentei argumentar. Nessa hora, um deles falou: 'Você viu quem é? Sujou' e foram embora." Após o assalto, Ronnie e Cristina andaram desde a Marginal até sua casa. "Ela estava aos prantos e ainda tínhamos medo de sermos roubados mais uma vez. Quem é maluco de andar a pé em São Paulo de madrugada?", questiona.

O boletim de ocorrência do roubo foi feito pela internet. Após ligação do secretário de Segurança, Alexandre de Moraes, a polícia levou fotografias de suspeitos para que o casal fizesse o reconhecimento dos assaltantes.  Segundo a SSP, o caso está sendo investigado pela Delegacia de Investigações sobre Roubo e Furto de Veículos (Divecar), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Mais conteúdo sobre:
Ronnie Von Segurança São Paulo Morumbi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.