Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Após 3 bilhetes premiados, lotérica da Mega atrai apostadores em Parelheiros

Até quem nunca apostou resolveu tentar a sorte no estabelecimento localizado no extremo sul de São Paulo

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2018 | 06h00

SÃO PAULO - Em Parelheiros, extremo sul de São Paulo, moradores ganharam um motivo para acreditar na sorte. Foi a Loteria Parelheiros, localizada em uma avenida comercial, a responsável por vender 3 dos 17 bilhetes premiados da última Mega da Virada. Registrados por um único sortudo. Após o réveillon, a lotérica viu as filas encherem. Entre as pessoas, há velhos apostadores, mas também os que antes nunca haviam feito nem um joguinho sequer.

+++ Três bilhetes premiados da Mega da Virada em SP são da mesma pessoa

A última Mega da Virada teve prêmio recorde, acima dos R$ 306 milhões. Nesta quinta-feira, 4, por volta das 15h30 e sob sol de 30°C, dezenas de pessoas se espremiam em três filas. “Não jogo, mas agora deu esperança de ganhar”, disse a cabeleireira Fabiana Domingues, de 30 anos.

+++ Dezessete apostas dividem o prêmio da Mega da Virada

Apostador inveterado, o caminhoneiro Edson Alcântara, de 50 anos, fez 50 jogos da Timemania e 20 da Quina. “Eu compraria uma fazenda lá na Bahia. Sou de Teixeira de Freitas, uma cidade perto de Prado, onde teve outro ganhador da Mega.”

Sortudo

Foi a primeira vez que a lotérica teve um ganhador da Mega-Sena. “Sempre achei que era balela, até sair aqui”, contou Jéssica Santos, de 25, que há dois anos é atendente da Loteria Parelheiros. 

Segundo a Caixa Econômica, os bilhetes premiados foram registrados com intervalo de poucos minutos - e o apostador não deve ter percebido que passou o mesmo jogo repetidas vezes. “Foi inusitado”, disse Jéssica. “Mas é comum pedirem para validar o mesmo jogo duas ou três vezes para dar sorte.”

 

O prêmio causou burburinho no bairro. Por lá, sabe-se que a aposta era, na verdade, de um bolão, embora tenha sido registrada como jogo simples. Dos palpites de vizinhos, o campeão é o de que os ganhadores são funcionários de um supermercado da região. “Desde a Virada, todo dia aparece menos gente para trabalhar aqui”, afirmou um frequentador do local. 

O gerente do estabelecimento negou. “Todos os funcionários foram orientados a não falar porque estão surgindo muitos comentários. Por enquanto, são só boatos”, disse. “E, até agora, ninguém faltou ao trabalho.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.