1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ao menos 26 pessoas são atendidas em Santos após fumaça

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 11h 28

Névoa de vazamento de gás em pátio da Localfrio no Guarujá atingiu cidades vizinhas; alguns moradores deixam suas casas

SANTOS - A fumaça do incêndio no pátio da Localfrio no Guarujá, no litoral sul de São Paulo, atingiu vários bairros da cidade de Santos na noite desta quinta-feira, 14. Equipes da Defesa Civil monitoram diversos bairros. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, até a madrugada desta sexta-feira, 15, 13 pessoas foram atendidas no Pronto-Socorro Central e mais 13 no PS da zona leste. Uma mulher de 72 anos, com histórico de asma, precisou de cuidados específicos.

Entre 6h30 e 8 horas desta sexta-feira, após vistoria em vários pontos, segundo a prefeitura, foi constatada uma redução na névoa, mas permanece um odor moderado, percebido na região central, principalmente nas imediações da estação das barcas, na Praça da República.

Moradores usam máscaras e roupas para proteger o rosto

Moradores usam máscaras e roupas para proteger o rosto

O controle da qualidade do ar é feito pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), que mantém contato permanente com a Defesa Civil para atualização de informações. De acordo com a administração santista, na manhã desta sexta-feira, o vento está em sentido sudoeste, situação que deve predominar no decorrer do dia, contribuindo para dispersão e afastamento da fumaça.

No bairro do Embaré, a fisioterapeuta Marcia Cristina Pires Nogueira, de 32 anos, já estava quase dormindo quando seu marido, Danilo Eduardo Nogueira, sentiu um cheiro forte, por volta de 22 horas desta quinta-feira, e foi à janela para verificar. O casal tem uma filha recém-nascida, com somente 16 dias de vida.

Vazamento de gás no Guarujá
DIVULGAÇÃO
Vazamento de gás no Guarujá

Um vazamento de produtos químicos seguido de incêndio atingiu, na tarde desta quinta-feira, 14, um terminal de cargas empresarial no Guarujá e espalhou fumaça sobre o litoral sul de São Paulo. 

"A fumaça chegou do nada. Estávamos deitados, já de pijama, e de repente o Danilo me perguntou se eu estava sentindo o cheiro. Respondi que não. Ele levantou e andou até a janela do quarto, que ficou instantaneamente cheia de fumaça entre o vidro fechado e persiana de metal", diz. "Em menos de 5 minutos, trocamos de roupa, liguei para minha mãe, que disse que na casa dela não havia cheiro. Jogamos tudo dentro do carro e fugimos por causa da Luíza", explica a fisioterapeuta.

Para minimizar os impactos da fumaça - resultante da queima do ácido dicloro isocianúrico de sódio -, a Defesa Civil orienta o cidadão a permanecer em locais abrigados, de preferência com portas e janelas fechadas. Para cobrir o rosto, pode ser usada uma máscara ou um pano seco. Os técnicos explicam que jamais deve ser usado o pano molhado porque a umidade ajuda na absorção do produto.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX