ANS só monitora o prazo máximo de atendimento

Atualmente não existe regra no País que obrigue uma operadora de saúde a aumentar a sua rede de médicos, clínicas e hospitais credenciados na mesma proporção em que aumenta o número de beneficiários. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) só monitora o acesso dos beneficiários por meio da norma que determina prazos máximos de atendimento para agendamento de consultas, exames e cirurgias, em vigor desde dezembro de 2011. O problema é que a norma estabelece que a operadora ofereça pelo menos um profissional, mas não garante que o médico seja o escolhido pelo usuário.

O Estado de S.Paulo

30 Junho 2013 | 02h06

A justificativa da ANS para não medir o acesso por meio da quantidade de prestadores é que um mesmo prestador pode trabalhar para mais de uma operadora de saúde, causando uma sobreposição de profissionais. / F.B. e A.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.