Anchieta-Imigrantes congestiona até sem feriado

Anchieta-Imigrantes congestiona até sem feriado

Estradas chegam perto da capacidade máxima em fins de semana normais, mesmo com tempo nublado

Fábio Mazzitelli, O Estadao de S.Paulo

01 Abril 2010 | 00h00

Domingo nublado, com períodos de chuva na Baixada Santista. Mesmo sem praia, a publicitária Carolina Nascimento Tonso, de 27 anos, resolveu esticar com os amigos a estada no litoral, apostando numa volta tranquila para a capital à noite. Errou a aposta e ficou mais de duas horas na estrada, sem entender o porquê do congestionamento.

O último 14 de março, dia em que Carolina ficou parada no sistema Anchieta-Imigrantes, foi um domingo nublado e "comum": fora da alta temporada, sem feriados prolongados e ainda sem o Rodoanel, via que deve aumentar o fluxo nas rodovias que ligam a capital ao litoral.

"Estava crente de que não teria trânsito por ser um dia comum, mas estava tudo parado", diz a publicitária, moradora da Saúde, zona sul de São Paulo. "Passou a serra e parou. Andava e parava. E foi assim até a (Avenida) Ricardo Jafet."

Nos domingos "comuns" de março deste ano, os picos de tráfego no Sistema Anchieta-Imigrantes superaram marcas de fins de semana intermediários de janeiro, alta temporada. A viagem de volta do litoral, feita no tempo máximo de uma hora com a pista livre, durou até duas horas e meia, com picos de tráfego que atingiram 86% da capacidade de 11 mil veículos por hora do sistema. Nos dias 14 e 21, por exemplo, a contagem feita nos pedágios chegou a registrar, respectivamente, 8.420 e 9.436 veículos por hora, com trânsito intenso que persistiu do início da tarde até a meia-noite.

Picos. Segundo a Ecovias, os picos de tráfego aos domingos não costumam ultrapassar os 6 mil veículos por hora, o que ocorreu nos três últimos domingos. Os engarrafamentos têm ocorrido, inclusive, em dias de pouco sol na Baixada Santista. A área de maior lentidão é a de planalto. Na Imigrantes, entre o km 40, acesso da interligação, e o km 21, agora perto do Rodoanel.

Uma das explicações para os congestionamentos, com ou sem feriadão, é o aumento no número de veículos de passeio, que em 2009 foi maior do que o crescimento de eixos equivalentes (veículos pesados). Dos 33,7 milhões de veículos que trafegaram em 2009 pelo sistema, 28 milhões foram carros. "É sinal de alerta. A saturação é gradativa: feriados, depois fins de semana normais e, por último, dias úteis", diz o engenheiro e consultor de trânsito Horácio Figueira.

Embora a reportagem tenha subido pela Anchieta em 150 minutos e pela Imigrantes em 90 minutos em domingos diferentes do mês passado, a Ecovias destaca que o maior tempo médio de viagem pela Imigrantes foi de 80 minutos, em 14 de março, e pondera que houve cinco acidentes naquele dia. Para a concessionária, março esteve dentro da média histórica. "Muitas vezes, a lentidão é reflexo de ocorrência fora da área de concessão", informou a empresa.

O QUE ABRE E FECHA EM SÃO PAULO

Rodízio

Suspenso apenas amanhã

Bancos

Abrem hoje e fecham amanhã

Parques

Todos os parques municipais ficam abertos

Correios

Hoje, funcionamento normal. Nos outros dias, só agências que abrem nos feriados

Saúde

AMAs de especialidades e UBS fecham amanhã e no fim de semana. Prontos-socorros e

hospitais municipais abrem

Compras

Mercados abrem no sábado e o funcionamento é facultativo nos outros dias. Sacolões abrem

Bibliotecas

Fecham de amanhã até o próximo domingo

CEUs e Clubes da Cidade

A área esportiva dos Centros Educacionais Unificados funcionará normalmente de sexta a domingo. Os Clubes da Cidade também estarão abertos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.