1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise: 'Caos dos transportes castiga os mais pobres'

'Enquanto a opção pelos veículos movidos a gasolina for mantida, situação tende a piorar, com novas manifestações'

Roberto Romano

- Atualizado:09 Janeiro 2016 | 10h 46

Os serviços públicos, no Brasil, constituem perene insulto à cidadania. Os transportes não servem ao seu fim, como aliás a maioria esmagadora dos instrumentos postos à disposição do coletivo, como a saúde, a educação. Em 2013, os movimentos contrários à elevação das tarifas levaram milhões de pessoas às ruas. 

Os políticos, acostumados a não ouvir protestos, se assustaram e deram marcha a ré em iniciativas tirânicas. Citemos o fim da PEC-37, a não atenuação da Lei de Improbidade Administrativa, a manutenção da Lei da Ficha Limpa, normas legais que estavam na mira dos improbos. As manifestações, assim, tiveram resultados positivos, apesar da diminuição numérica dos ativistas.

A péssima política brasileira de transportes tem origem no governo Juscelino Kubitschek. No afã de industrializar o País, ele presidente definiu, de maneira imprudente, a forma de transportes por automóvel e caminhão. No mesmo ímpeto em que foram desativadas criminosamente as vias férreas, o transporte urbano passou ao ônibus e automóvel. Quase nada de substancial foi feito, em mais de 50 anos, para construir vias como o metropolitano e trens urbanos. E quando finalmente se iniciou o metropolitano de São Paulo, seu ritmo e investimentos foram insuficientes.

O caos dos transportes castiga os usuários mais pobres dos ônibus, cujas tarifas, estão muito além do serviço prestado. Enquanto a imperícia da administração pública e sua opção preferencial pelos veículos movidos a gasolina forem mantidas, a situação tende a piorar, com novas manifestações.

Há uma diferença a ser indicada. Nas manifestações de massa contra a ditadura, pela Anistia, Diretas Já, impedimento de Collor, a preocupação dos organizadores era a repressão e os provocadores, saídos dos porões ditatoriais. Com os black blocs, nova realidade surgiu. Eles impedem o sucesso das manifestações e se apresentam em todas elas, com precisão matemática.  Os agentes administrativos inidôneos ou incompetentes têm aliados poderosos nos que promovem o quebra-quebra e justificam medidas truculentas da repressão policial.

ROBERTO ROMANO É PROFESSOR DE ÉTICA E FILOSOFIA DA UNICAMP

Manifestação contra o aumento das tarifas em todo o Brasil
Rafael Arbex/Estadão
Manifestação contra o aumento das tarifas de transporte público

A tarde de sexta-feira foi de manifestações lideradas pelo Movimento Passe Livre contra o aumento de R$ 3,50 para R$ 3,80 das tarifas de transporte público. Em São Paulo, o ato se iniciou na Praça Ramos de Azevedo, em frente ao Teatro Municipal.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX