1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Alvo de críticas, secretário da Segurança defende tabela de sigilo

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 22h 02

Alexandre de Moraes afirmou que lista que impõe segredo a 22 assuntos foi editada para 'garantir a transparência' de informações

O secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes 

O secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes 

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, afirmou nesta terça-feira, 16, que a Tabela de Classificação de Sigilos - lista que impõe segredo a 22 assuntos, incluindo até informações de boletins de ocorrência - foi editada para “garantir a transparência” de informações públicas. Moraes negou que sua portaria, publicada no Diário Oficial no dia 5, tenha mantido o sigilo de acesso a dados sobre distribuição do efetivo de policiais e detalhes sobre boletins de ocorrência. 

A alteração havia sido alvo de críticas por parte de entidades de transparência e da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). 

“Parece que acabou não sendo autoexplicável e que não se entendeu a ideia da resolução. As informações objetivas serão fornecidas a quem perguntar”, disse nesta terça o secretário, referindo-se à distribuição do efetivo policial pela cidade. 

A impossibilidade de acesso ao dado não permite que a população saiba se as regiões mais violentas têm mais policiais, por exemplo. O Estado pediu os dados em cinco ocasiões, a partir de 2015, e nunca obteve resposta. 

“O que continuará sendo sigiloso é o uso dos policiais naquele momento, ou seja, a informação subjetiva para eventos específicos”, alegou Moraes.

A tabela divulgada pelo secretário coloca sob sigilo “controle, distribuição e utilização do efetivo existente; bem como o respectivo regime de trabalho e escala de serviços, férias e licenças”. Na interpretação de Moraes, o texto libera o acesso à informação do efetivo. 

Ele afirmou ainda que manterá sigilo à integra de boletins de ocorrência, com identificação dos envolvidos. “O que não podemos fazer é divulgar dados que temos de preservar”, afirmou. Moraes disse que divulgará extratos com informações de boletins de ocorrência que não tenham dados pessoais. 

A Abraji rechaçou a posição da secretaria. “Os dados contidos nos documentos são fundamentais para o exercício do controle externo do serviço de segurança pública.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX