Além de SP, outras dez cidades organizam atos contra o Estatuto do Nascituro

Somando todas, são mais de 16 mil pessoas prometendo participar de protestos

Breno Pires, O Estado de S. Paulo

10 Junho 2013 | 16h47

SÃO PAULO - O ato que está sendo organizado contra a aprovação do Estatuto do Nascituro, no próximo sábado, 15, em São Paulo, às 15h, na Praça da Sé, com mais de 10 mil presenças confirmadas, não será o único no Brasil. Em ao menos outras dez cidades, eventos com o mesmo posicionamento estão sendo organizados, todos no sábado no período da tarde. Somando todas as cidades, são mais de 16 mil pessoas prometendo participar de protestos.

Em Porto Alegre, 2.979 pessoas afirmam que vão participar do evento que está marcado para as 15h, no Monumento ao Expedicionário. No Rio de Janeiro, há 2.150 confirmações para o ato, que acontecerá às 18h no Largo da Carioca.

Brasília terá um ato às 15h do sábado na Praça Zumbi dos Palmares, em frente à Faculdade Dulcina de Moraes. Mais de 1,1 mil pessoas disseram que vão ao evento. O movimento em Belo Horizonte tem pouco mais de 800 pessoas confirmadas e acontecerá às 13h na Praça Sete, enquanto, no Recife, acontecerá na Praça do Diário.

Santa Maria, no Rio Grande do Sul, tem 418 presenças marcadas, enquanto Campina Grande, na Paraíba, sõ 56. Em Santa Catarina, Florianópolis, Joinville e Jaraguá do Sul têm 138, 62 e 58 confirmações.

Além de promover os protestos, as organizações dos eventos também compartilham uma petição que está sendo feita contra o estatuto no site Avaaz: 120 mil pessoas já assinaram.

O projeto de lei que tem sido chamado de Estatuto do Nascituro dá direitos ao embrião e cria incentivos com o objetivo de evitar abortos mesmo em casos que hoje são autorizados. As organizadoras do evento em São Paulo interpretam que, de acordo com o Estatuto do Nascituro, as grávidas de alto risco e mulheres estupradas não terão mais o direito de fazer o aborto. O relator da proposta, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou na quarta-feira, 5, que a opção por realizar o aborto não será eliminada e que o auxílio financeiro não pode ser vinculado ao estupro.

Apesar da aprovação na Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados, o Estatuto do Nascituro ainda precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ir ao plenário na Câmara. Só depois seguirá para o Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.