1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Alckmin garante metrô na Copa

Luiz Fernando Toledo - O Estado de São Paulo

10 Junho 2014 | 12h 55

O tucano acredita só haverá conflito se alguém quiser "fazer bagunça pela bagunça, caos pelo caos"

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) assegurou que a cidade de  São Paulo contará com metrôs e trens durante a Copa do Mundo,  que começa nesta quinta,  12. "Nós teremos tanto o metrô quanto a CPTM. É difícil,  aliás,  você ter um estádio que tenha, na porta, uma linha de metrô, a 3 (Vermelha) e uma linha de trem, que é a linha 11 da CPTM".

"Espero que (o metrô) não pare. Não tem nenhum sentido. Seria um enorme oportunismo, exatamente no dia da abertura da Copa, fazer greve", disse o político. Para Alckmin, só ocorrerá conflito caso "haja um grupo querendo fazer bagunça pela bagunça,  caos pelo caos". 

O governador considerou  ainda que a discussão trabalhista com os metroviários já se encerrou com o dissidio.  "Houve o dissidio muito superior à inflação,  com ganhos reais que dificilmente uma categoria teve", afirmou após discursar na abertura do Fórum Empresarial América Latina Global,  no auditório Ibirapuera, na manhã desta terça,  10.

Alckmin recuou quando questionado sobre a revogação das demissões de funcionários do Metrô.  Ele deu a entender que não haverá nenhuma mudança por parte do Palácio dos Bandeirantes. "O governo tem o dever de garantir a 5 milhões de pessoas que querem trabalhar e que precisam do metrô".  O governador ainda afirmou que ninguém foi demitido em razão da greve. "Nenhum grevista foi demitido. As demissões ocorridas foram em razão de outros fatos. Fatos graves, como invasão de estação,  depredação,  vandalismo", disse. 

Manifestações.  Para o político,  os protestos não atrapalharão o Mundial. "Eu espero que não.  Nós vamos ter uma bela festa. O mundo inteiro está acompanhando, vamos torcer pelo Brasil", afirmou. 

Atrasos. O tucano ressaltou que todas as obras  de responsabilidade do governo estadual foram entregues a tempo para o Mundial. "Inauguramos no sábado a última obra, que era a passarela, aliás,  a maior de São Paulo", afirmou. Segundo Alckmin,  todos os viadutos, alças,  túnel e ampliações foram concluídas. "E nenhum centavo dentro do estádio", assegurou.