Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Ainda dá para aproveitar Virada Cultural até as 18 horas

Maria Rita encerra programação na São João; roqueiros podem aproveitar palco na Praça da República

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo, com Agência Estado

03 Maio 2009 | 10h13

A festa continua, o show não pode parar. Quem perdeu no sábado ainda tem mais um dia inteiro de programação cultural pela cidade. Aos que já estão no pique, nada de descanso: o roteiro dominical da 5ª Virada Cultural tem inúmeras atrações que valem a pena. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) disse ontem que espera um público de pelo menos 3 milhões acompanhem as atrações do evento.   

 

Veja também:

mais imagens Confira galeria de fotos da 5ª Virada Cultural

especialMonte seu roteiro e programe-se para a Virada Cultural 

linkMetrô e trem funcionam por 24h e Bilhete vale por 8h na Virada

linkObras do Metrô dificultam acesso à Virada Cultural em SP

Às 9 horas foi a vez do grupo pernambucano Cordel do Fogo Encantado se apresentar na Avenida São João. No mesmo palco, Zeca Baleiro tem apresentação prevista para o meio-dia - enquanto Fafá de Belém relembra todas as canções do disco Água, de 1977, no Teatro Municipal.

Está marcado para as 15 horas, na Avenida São João, o esperado show dos Novos Baianos. Não devem faltar sucessos consagrados, como Acabou Chorare e Preta Pretinha. Também às 15h, no Teatro Municipal, Francis Hime apresenta, acompanhado pela Orquestra Experimental de Repertório, as canções do disco de 1973, batizado com seu nome.

 

Às 18h, Maria Rita encerra a programação musical da São João, com um show que deve compilar material de seus três álbuns. Ao mesmo tempo, Beto Guedes canta no Teatro Municipal, faixa a faixa, todo o seu disco Alma de Borracha, de 1986.

Fãs de Raul Seixas (1945-1989) ganharam um palco exclusivo neste ano, em memória aos 20 anos da morte do músico. Ao longo das 24 horas, todos os discos da carreira de Raul devem ser apresentados na Avenida Cásper Líbero, em ordem cronológica. Hoje, destaque para o álbum A Panela do Diabo, interpretado por Marcelo Nova e Os Panteras, às 16h45.

Roqueiros terão seu espaço na Praça da República, onde começou por volta das 10h o show do CPM 22. E ainda tocam no mesmo palco Nação Zumbi (às 12 horas), Nasi (às 14) e Ike Willis com a The Central Scrutinizer Band (às 17h20), entre outros.

 

Mas é claro que há mais do que música na Virada. Repete-se hoje às 11h40 e às 17h40 a apresentação Le Chant des Sirènes, do grupo francês Mécanique Vivante. O concerto mecânico, com sirenes, poderá ser ouvido em um raio de três quilômetros. Também ocorre mais uma apresentação, às 16h35, da companhia francesa Beau Geste, em que um bailarino dança sobre uma retroescavadeira, no Viaduto do Chá.

Às 11h, no palco do Sesc Paulista, a peça Sertão no Meio do Redemoinho faz uma leitura contemporânea e urbana da obra de Guimarães Rosa (1908-1967), envolvendo ruas e praças de cidades paulistas. Fragmentos da obra do dramaturgo irlandês Samuel Beckett (1906- 1989) serão encenados em Esperando Godot, no Museu do Tribunal de Justiça, no centro, às 15 horas.

Voltado ao público infanto-juvenil, a Cia. Druw traz para o Anhangabaú o espetáculo Lúdico, inspirado na obra do pintor russo Wassily Kandinsky (1866-1944). A ideia da apresentação é mostrar um passeio pelo universo da criação artística.

 

Transporte

 

E quem for à Virada Cultural de metrô neste domingo pode se despreocupar com a intervenção na Linha 3-Vermelha. No sábado, devido às obras de construção da Linha 4-Amarela, a estação República ficou fechada e a circulação de trens estava interrompida. O serviço voltou ao normal nesta manhã. Ontem, para seguir viagem, o passageiro precisava descer no Anhangabaú e pegar um ônibus, gratuito, até a estação Santa Cecília.

 

Por causa disso, houve tumulto e confusão na estação. Alguns passageiros levaram até 40 minutos para sair do local, devido à grande aglomeração de pessoas. Para facilitar a saída, funcionários chegaram a abrir a passagem para pessoas com deficiência e afastaram quem aguardavam amigos na catraca.

 

Apesar dos avisos sobre a interdição, centenas de pessoas não sabiam como pegar senha para os ônibus gratuitos. Funcionários tentavam explicar, mas por causa do volume de passageiros, nem todos recebiam as informações. As bilheterias do Metrô continuaram com longas filas durante a madrugada deste domingo.

Mais conteúdo sobre:
Virada cultural São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.