1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Água do ‘volume morto’ começa a ser captada e chega às torneiras domingo

Fabio Leite - O Estado de S. Paulo

15 Maio 2014 | 03h 00

Abastecimento. O uso do fundo das reservas foi a saída encontrada pelo governo Alckmin para evitar o racionamento generalizado na Grande São Paulo, ao custo de R$ 80 milhões em obras; Sabesp e Cetesb atestam a boa qualidade da água para o consumo

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) aciona nesta quinta-feira, 15, às 10h, o conjunto de bombas que darão início à captação de água do "volume morto" do Sistema Cantareira. Nunca utilizada antes pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), a água da reserva profunda do principal manancial paulista já pode chegar na torneira de mais de 8 milhões de habitantes da Grande São Paulo a partir de domingo.

Segundo estimativa feita por dois consultores em engenharia hidráulica, o trajeto de 120 quilômetros da Represa Jacareí, em Joanópolis, até o término do tratamento na Estação Guaraú, na zona norte da capital, deve levar cerca de 72 horas. No percurso, os 105 bilhões de litros que serão retirados do "volume morto" dos reservatórios Jaguari-Jacareí vão misturar-se com o "volume útil" das outras três barragens do Cantareira que são interligadas por túneis: Cachoeira, em Atibaia; Atibainha, em Nazaré Paulista; e Paiva Castro, em Mairiporã.

"Ao longo do trajeto, novos afluentes vão sendo incrementados. Sem considerar as novas contribuições, essa água levaria cerca de 66 horas até Guaraú, percorrendo o trajeto a uma velocidade de meio metro por segundo", estima o engenheiro Roberto Massaru Watanabe, que trabalhou no projeto de construção do Cantareira, em 1974. Na estação, a água leva cerca de 8 horas para ser tratada. Dali, é distribuída com pressurização para a rede.

Agosto. O uso do "volume morto" foi a saída encontrada pelo governo Alckmin para evitar o racionamento de água generalizado na Grande São Paulo. O custo das obras é de R$ 80 milhões. Ao todo, serão 183 bilhões de litros represados abaixo das comportas da Sabesp. A reserva das Represas Jaguari-Jacareí, que estavam ontem com apenas 1,8% da capacidade, deve durar até o fim de agosto.

Outros 78 bilhões de litros serão retirados das profundezas do reservatório Atibainha. Segundo a projeção inicial da companhia, a reserva garantiria o abastecimento até 27 de novembro. Agora, o governo diz que durará até março. "Até o início das próximas chuvas, a previsão é captar 180 milhões de metros cúbicos", disse Alckmin.

Além do impacto na fauna e na flora do manancial, o uso do "volume morto" é questionado por ambientalistas e promotores por possível risco à saúde. A Sabesp e a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) atestam a qualidade da água. Cerca de 76% dessa reserva já abastece a região de Campinas - por meio de comportas que ficam abaixo do nível dos túneis da Sabesp.