Gabriela Biló
Gabriela Biló

Adolescente morre na frente de Habib’s

Polícia apura ação de seguranças da loja; família fala em agressão e funcionários relataram que menino de 13 anos teve parada respiratória

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

28 Fevereiro 2017 | 21h40

A Polícia Civil vai investigar a ação dos seguranças da lanchonete Habib’s da Avenida Itaberaba, na Vila Nova Cachoeirinha, zona norte de São Paulo, na morte de um garoto 13 anos. O caso ocorreu na noite de domingo. Segundo a família do garoto, ele teria sido agredido pelos funcionários após pedir dinheiro para clientes na porta do estabelecimento. Em seguida, teve parada respiratória e morreu antes de chegar ao Hospital do Mandaqui.

Representantes da unidade do Habib’s afirmaram aos policiais do 13.º DP (Casa Verde) que o menino era conhecido do local por pedir dinheiro e comida aos clientes. Mas que naquela noite, ele estava “ importunando os clientes, inclusive com um pedaço de madeira”. “O adolescente ameaçava quebrar o vidro da loja e chegou a jogar pedras contra carros e um dos funcionários”.

Ainda segundo os representantes, um gerente e um supervisor, quando os funcionários foram repreendê-lo, o garoto “saiu correndo e, neste instante, teve um mal súbito”. O menino caiu no meio da rua, de acordo com esta versão. Os seguranças envolvidos não foram ouvidos pelo delegado Julio Siqueira Gomes.

O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar foram acionados por moradores. Os PMs relatam que foram atender uma “ocorrência de agressão”, mas quando chegaram ao Habib’s o garoto já havia sido levado pela unidade de resgate.

O garoto morreu no caminho do Mandaqui. Segundo os bombeiros, o garoto não apresentava sinais de agressão. Os médicos do hospital afirmaram, em ofício encaminhado à polícia, que o óbito “se deu por causa desconhecida”. O Instituto Médico-Legal (IML) vai elaborar um laudo para esclarecer a causa da morte dele. O documento deve ficar pronto em até 15 dias.

Enterro. O menino foi enterrado ontem, no Cemitério da Vila Cachoeirinha. A mãe dele, Fernanda Cassia de Souza, que completou 34 anos anteontem, contou que o filho sempre ficava na porta do Habib’s para pedir moedas para clientes, mesmo contra a vontade dos pais. “Quando ele saía de casa, era certeza que o encontraríamos lá. Ele nunca agrediu ninguém, nunca roubou e, por isso, nunca foi preso. É muito estranho falarem que ele teve mal súbito, pois tinha a saúde perfeita.”.

Fernanda disse também que foi até o Habib’s assim que soube do incidente com o filho. No local, alguns clientes contaram que teriam presenciado o garoto ser agredido na frente da lanchonete pelos seguranças. “Alguns clientes foram no enterro. Um deles disse que deu moedinhas para ele antes de acontecer essa tragédia.”

Fernanda tem mais filhas, de 19, 17 anos e 5 anos. Na tarde de segunda-feira, a família e um grupo de amigos fizeram um protesto na frente do Habib’s da Avenida Itaberaba e pediram justiça. “Se o meu filho estava errado, que ele fosse repreendido. Isso que aconteceu foi uma tragédia que derrubou a nossa família”, afirmou.

Lanchonete. Em nota, a assessoria do Habib’s disse que considera o fato lamentável. “A franqueadora leva em consideração as informações relatadas pelos funcionários da unidade franqueada, presentes no momento da ocorrência, bem como os relatos registrados em B.O. A polícia foi acionada, assim que verificaram que a conduta do menor estava incontrolável, ameaçando o patrimônio físico da loja e dos clientes. Imediatamente, também o resgate foi acionado.” 

A assessoria ainda informou que tomou as providências para socorrê-lo e vai se “empenhar em esclarecer todos os detalhes do ocorrido com prioridade”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.