1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Acidentes aumentam em SP, mas têm menos mortes, diz governo

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 07h 39

Administração estadual lança plataforma de dados de trânsito e quer atingir meta estabelecida pela Organização das Nações Unidas

SÃO PAULO - Dados divulgados nesta terça-feira, 23, pelo governo de São Paulo apontaram crescimento na quantidade de acidentes com vítimas no Estado entre 2014 e 2015. Os números mostraram elevação de 2% nos registros nesse período: foram 239.508 casos com vítima no ano passado, ante 234.078 em 2014.

Já o número de óbitos caiu no período: de abril a dezembro - o governo alega que uma mudança no sistema de dados impossibilitou verificar os dados de janeiro a março em 2014 - foram 4.583 mortes em 2015, ante 5.170 no ano anterior. Já em todo o ano de 2015, foram 6.066 mortes (veja mais informações sobre o perfil dos acidentes no infográfico abaixo).

Segundo o Infosiga SP, motociclistas (29%) e pedestres (28%) foram os que mais se envolveram nos acidentes em 2015

Segundo o Infosiga SP, motociclistas (29%) e pedestres (28%) foram os que mais se envolveram nos acidentes em 2015

As informações estão disponíveis em uma nova plataforma criada pelo governo estadual para centralizar os dados de acidentes de trânsito de todos os municípios paulistas (www.segurancanotransito.sp.gov.br). O site divulgará estatísticas como número de acidentes com vítima, óbitos e perfil das vítimas.

Informações sobre acidentes de trânsito já eram divulgadas pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). A novidade, explica o coordenador do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, Evandro Vale, é que as estatísticas consideram também as vítimas que morreram depois do acidente, no hospital, não apenas os óbitos constatados no local. “A SSP divulga os homicídios culposos e dolosos. O novo sistema engloba todos os óbitos, que eventualmente foram levados ao hospital”, explica.

Repasses. Além da medida, o governo anunciou repasse de R$ 10,5 milhões a 15 cidades paulistas com o maior número de vítimas em acidentes de trânsito proporcional à população. Com isso, Amparo, Atibaia, Barretos, Catanduva, Fernandópolis, Itanhaém, Jacareí, Piedade, Praia Grande, Registro, Ribeirão Preto, São Carlos, São José do Rio Preto, São Roque e Sorocaba terão recursos extras para investir na área.

O objetivo do mapeamento é atingir uma meta nacional estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) de redução de mortes no trânsito em 50% até 2020.

O presidente do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP), Daniel Annenberg, apontou outras medidas que deverão ser tomadas nos próximos meses, como a capacitação de professores na rede pública para oferecer aulas de educação no trânsito.

Para o diretor da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), Dirceu Rodrigues Alves Junior, a razão do aumento nos acidentes está em uma “deficiente” educação sobre o assunto. “São campanhas tolas que se iniciam e logo findam e não estão trazendo benefícios”, critica.

Ele aponta a necessidade de fortalecer os cursos de condutores. “O motorista não sabe o que é andar na chuva, em um piso escorregadio, na estrada, fazer uma ultrapassagem de veículo longo, enfim, não conhece as condições adversas e vai aprender a andar na prática.”

Veja dez atitudes que podem gerar multas e você não sabia
Divulgação
1) Usar fones de ouvido

Dirigir com fones nos ouvidos pode tirar a atenção do motorista. Além de um acidente, isso pode custar quatro pontos na carteira e uma multa de R$ 85,13 (infração média)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX