Corpo de Bombeiros
Corpo de Bombeiros

Colisão entre van escolar e caminhão deixa 17 feridos em Carapicuíba

11 das vítimas são crianças - 3 delas estão internadas em estado grave; cruzamento onde houve o acidente não tem sinalização

Bruno Ribeiro, Felipe Cordeiro e Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2018 | 12h39
Atualizado 13 Abril 2018 | 18h14

SÃO PAULO - O Corpo de Bombeiros confirmou em 17 o número de feridos na batida entre um caminhão e uma van escolar no fim da manhã desta sexta-feira, 13, em Carapicuíba, na Grande São Paulo. A corporação informou que 11 vítimas são crianças, entre 7 e 12 anos, que estavam na van.  As outras são seis adultos, dos quais há três homens, de 20, 23 e 48 anos, e uma mulher de 22 anos. Entre eles, estão o motorista e o ajudante dos dois veículos.

+++ Mortes no trânsito em SP caem 7% e os acidentes, 16%

Ao menos três crianças estão em estado grave após o acidente na Rua Antônio Ricardo, na Vila Lourdes. Um menino, com idade entre 10 e 12 anos, teve parada cardíaca no local e e foi socorrido por um helicóptero Águia, da Polícia Militar, até o Hospital das Clínicas, na zona oeste da capital paulista. Uma menina da mesma faixa etária, segundo o major Danilo Oliveira Godoy do Corpo de Bombeiros, estava com politraumatismo e foi levada, por terra, para o Hospital Geral de Carapicuíba. Algumas crianças estão no Hospital Geral de Carapicuíba. Outras vítimas foram encaminhadas ao Pronto-Socorro Regional de Cotia, Municipal de Osasco e Intermédica. 

+++ Ao menos 27 crianças morrem em acidente com ônibus escolar na Índia

A maioria das crianças teve ferimentos na cabeça, fraturas nos braços e nas pernas e contusão no crânio. Os adultos apresentaram escoriações e contusão no tórax, contusão no crânio e fratura de clavícula. 

+++ Acidente na Régis Bittencourt mata três pessoas e deixa três feridos

O cruzamento onde aconteceu o acidente, entre as Ruas da Reserva e Antônio Ricardo, não tem placas de "pare" ou indicação de preferência em nenhum dos lados. Há apenas duas semanas, outro caminhão desgovernado invadiu a casa da professora Maria de Fátima do Amaral. "Aqui é perto de Barueri, eles usam essa rua para cortar caminho. Devia ser proibido caminhão, ou pelo menos ter algum obstáculo", reclamou.

Segundo o Corpo de Bombeiros, 19 viaturas prestaram atendimento às vítimas. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e o helicóptero Águia também auxiliaram no resgate. Algumas vítimas ficaram presas nas ferragens e outras chegaram a ser atendidas na calçada. 

O major Sérgio Cardin, da Polícia Militar, informou que o caminhão, possivelmente sem freios, bateu na van quando ela se preparava para embarcar outra criança. A van estava parada. "Quando ele bateu, a van rodou. O caminhão foi parar no muro de uma casa e destruiu um poste." A criança que iria embarcar escapou. 

A área foi isolada à espera  da perícia. Os envolvidos, todos feridos, ainda não foram ouvidos pela Polícia Civil, que vai investigar o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.