Divulgação/Acadêmicos do Tucuruvi
Divulgação/Acadêmicos do Tucuruvi

Acadêmicos do Tucuruvi perde quase todas as fantasias do carnaval em incêndio

Defesa Civil apura causas de incêndio que destruiu atelier da escola de samba nesta quinta-feira

Bibiana Borba, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2018 | 17h59

SÃO PAULO - Um incêndio de grandes proporções destruiu mais de 90% das fantasias da escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi para o carnaval deste ano. As chamas atingiram um galpão da escola na Rua Bartolomeu de Torales, no Tucuruvi, na zona norte de São Paulo, no final da madrugada desta quinta-feira, 4. O fogo foi combatido por nove equipes do Corpo de Bombeiros, que permaneceram na região até o início da manhã.

+++ Três bilhetes premiados da Mega da Virada em SP são da mesma pessoa

Alguns integrantes da escola estavam no atelier e conseguiram deixar o galpão em segurança, salvando poucas das duas mil fantasias que eram confeccionadas. Muitas máquinas de costura também foram destruídas. Ninguém ficou ferido. Os carros alegóricos da escola estavam armazenados em um galpão distante do local atingido.

Uma equipe da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-SP) deve realizar perícia para avaliar as causas do início das chamas. Nenhuma suspeita foi antecipada até o momento.

+++ Biquini de fita adesiva de Anitta já está à venda no comércio popular

A pouco mais de um mês do carnaval, a diretoria da Acadêmicos do Tucuruvi admitiu que será muito difícil refazer todo o material destruído pelo incêndio. A escola deve contar com doações e apoio da Liga das Escolas de Samba de São Paulo. Em publicação no Facebook, a Tucuruvi pediu força à comunidade e informou que o primeiro ensaio geral para o desfile, que estava previsto para hoje, foi cancelado.

+++ Defender Pabllo Vittar é um ato político

A escola desfila no primeiro dia do grupo especial do carnaval paulistano, 9 de fevereiro, no Sambódromo do Anhembi. O samba-enredo deste ano, 'Uma noite do museu', homenageia museus e a história da arte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.