Academia em casa: o luxo que pode custar pouco

Com R$ 100 é possível comprar equipamentos pequenos e leves que ajudam a conseguir aquela cinturinha para arrasar no próximo verão

Valéria França, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2010 | 00h00

Agora é possível malhar em casa, em uma academia inteiramente sua. E, para isso, não é preciso muito dinheiro nem muito espaço. Há equipamentos que cabem em uma mala de viagem e custam em torno de R$ 100. Dicas como essa, que podem valer uma cintura invejável no verão, foram selecionadas especialmente para o Estado pela fisioterapeuta do Centro de Medicina da Atividade Física e do Esporte (Cemafe), Gerseli Angeli, de 34 anos, que assessora atletas.  

 

Uma alternativa para as faixas elásticas é a bola, explica Gerseli. Foto:Leonardo Soares/AE

"É possível fortalecer todos os músculos do corpo com um jogo de faixas elásticas, que podem ser fixadas até mesmo na porta do quarto", diz ela. Cada uma, de 1,50 metro de comprimento, custa em média R$ 30. Para começar a malhar, o aluno precisa de pelo menos três delas, com intensidades diferentes.

"O elástico é eficiente porque simula movimentos feitos no dia a dia", diz Gerseli. "Tenho alunos que preferem soluções mais caras e sofisticadas, mas com resultados parecidos." Ela se refere ao Kinesi, da Technogym, um sistema de roldanas e elásticos que possibilita mais de 250 exercícios diferentes.

Uma alternativa para as faixas elásticas é a bola, comum nas aulas de alongamento, que pode ser boa ferramenta no fortalecimento dos músculos. "Ela vem com livreto de dicas de exercícios localizados", comenta Gerseli. "Dá para fazer séries muito boas de abdominal, por exemplo", avalia a fisioterapeuta.

A tendência é usar a bola e o disco de ar como ferramentas que potencializam outros exercícios. Gerseli explica: "Você senta na bola para treinar o bíceps, por exemplo, com pesos. Além de trabalhar esse alvo, treina o quadríceps, que fica tencionado para manter o equilíbrio do corpo sobre a bola."

Não tão conhecido como a bola, o disco de ar é usado como apoio para os pés. O praticante faz exercícios de braços, ombros e até mesmo para o peito, em pé sobre o aparelho. Pode parecer fácil, mas ele é instável. Funciona como uma gangorra. "Quanto maior o desafio para o corpo", ressalta a fisioterapeuta, "maior a queima de calorias".

 

BENEFÍCIOS E CUIDADOS

 

Faixas elásticas

Têm diferentes gradações de resistência e pegadores adequados para mãos e pés. Trabalham alongamento e força de todos os grupos musculares. É preciso verificar a extensão adequada à altura e iniciantes devem optar pelas que proporcionam exercícios mais leves. As da marca Thera-Band, mais tradicional, saem por R$ 29,90.

 

Bola

A bola vem com uma bomba e pode ser guardada vazia. A de 55 centímetros de diâmetro é indicada para quem tem menos de 1,70 metro de altura; a intermediária, com 65 cm de diâmetro, para praticantes de 1,70m a 1,80m. Para os mais altos, o adequado é se exercitar com a bola de 75 centímetros de diâmetro. Custam a partir de R$ 115.

 

Tatame de EVA

São melhores do que os colchonetes, que costumam deslizar no chão durante os exercícios, tirando a estabilidade, e não comportam pessoas mais altas ou corpulentas. O tatame é vendido em placas de 50 centímetros, que têm encaixes. Cada um sai, em média, por R$ 5,60.

 

Pesos

A caneleira é boa para treinar pernas e glúteos. O par custa a partir de R$ 39. Já kits com cinco pares de pesos de mão para exercitar membros superiores custam a partir de R$ 270.

 

Bicicleta

Deve ter um sistema eletrônico de ajuste. Analise o conforto do selim e, de preferência, faça o ‘test drive’. As bicicletas horizontais são mais confortáveis. Uma dessas custa, em média, R$ 4,5 mil.

 

Esteira

Uma boa esteira também precisa de painel eletrônico e amortecedores. Veja se o espaço para caminhar ou correr tem cerca de 50 centímetros de largura e mais de 1,40m de comprimento. É importante ter sistema de inclinação da pista, medidor de batimentos cardíacos e velocidade máxima de aproximadamente 18 km/h. Um aparelho desse tipo sai por cerca de R$ 7 mil. Não compre sem testar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.