Abrigo mais antigo de SP sobrevive em praça da Lapa

Ponto de ônibus é remanescente da década de 1950

O Estado de S.Paulo

01 Junho 2013 | 02h04

Ao lado de uma banca de jornal, sobrevive na pequena Praça Coronel Cipriano de Morais, na Lapa, zona oeste, uma robusta cobertura erguida por três pares de pilares em V, de ferro. Capaz de provocar nostalgia nos mais velhos, é o mais antigo ponto de ônibus em funcionamento na cidade. "Pelo estilo, deve ter sido feito nos anos 1950", afirma o arquiteto Lúcio Gomes Machado. "É um projeto tosco, que alude à arquitetura moderna da época, um modismo presente no IV Centenário (festa dos 400 anos de São Paulo, em 1954)."

Construídos pela extinta Companhia Municipal de Transportes Coletivos (CMTC), pontos assim eram comuns na cidade - aparecem em fotos antigas da região central, por exemplo - até o início dos anos 1970, quando começaram a ser demolidos. "Sabe-se lá por que esqueceram desse, coitado", diz Machado. "Quem sabe agora, publicando no jornal, ele será lembrado."

Ele foi "redescoberto" recentemente pelo São Paulo Antiga, site dedicado a mostrar construções históricas paulistanas. "Esse abrigo de passageiros não é apenas mais um. É um sobrevivente vivo e funcional da história do transporte coletivo em nossa cidade", afirma o jornalista Douglas Nascimento, autor do site. "Faço um apelo para nossas autoridades: vamos não só manter o abrigo como tombá-lo como parte da memória paulistana."

Intervenções. Apesar de "esquecido", o ponto mais antigo de São Paulo não passou incólume por artistas e interventores urbanos. Há algum tempo, alguém colou uma espécie de papel de parede em seu teto, com figuras renascentistas. Depois, para descontentamento de moradores do entorno, surgiram novas colagens: em tipologia preta sobre fundo branco, foi espalhada, repetidas vezes, a frase "o que é arte?". / E.V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.