Aberta há um mês, nova Marginal segue com gargalos

Os principais pontos de lentidão são causados por obras em pontes e viadutos e muitas só vão acabar no fim do ano

Eduardo Reina, Renato Machado e Sandra Riva, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2010 | 00h00

A nova pista da Marginal do Tietê completou ontem um mês com vários gargalos provocados por obras. E a previsão é de que alguns sejam resolvidos apenas em dezembro. Os principais são causados por obras em pontes e viadutos. Um dos mais complicados é o estreitamento na região do Rio Tamanduateí, no sentido da Rodovia Ayrton Senna.

A intervenção nessa região - uma ponte sobre o Rio Tamanduateí - será uma das primeiras a ser entregues. Segundo o cronograma de inaugurações da Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), a entrega deve ser em junho, sendo possível adiantar para o próximo mês.

No entanto, um dos principais problemas para o fluxo da Marginal atualmente - reconhecido pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) - será um dos últimos a ser resolvidos. Os motoristas enfrentam dificuldades no trecho no sentido Castelo Branco, da Ponte da Vila Maria até onde será o futuro complexo da Ponte das Bandeiras, por causa das obras nas pistas. O cronograma prevê a inauguração em junho de dois viadutos: um que ligará a Via Dutra à pista expressa da Marginal (no sentido Castelo) e outro da Marginal à Avenida Salim Farah Maluf. Para outubro ficarão o futuro complexo da Avenida do Estado e as novas pontes na altura da Avenida Cruzeiro do Sul e do Tatuapé. O complexo das Bandeiras ficará para dezembro.

Fluidez. "Houve uma melhora no fluxo de trânsito, literalmente. Perceptível e de forma qualificável, com redução de tempo em torno de 50% para as empresas que fazem entregas", disse Antonio Wrobleski Filho, da AWRO Logística e Participações.

Entretanto, diz o especialista, ainda há gargalos. "Há nove, dez pistas, fluindo, mas elas terminam em duas pistas, nos acessos às principais rodovias e avenidas. Isso estrangula o trânsito", disse. Entre esses pontos estão os acessos à Avenida Salim Farah Maluf, a partir da pista sentido Castelo Branco.

Wrobleski afirmou ainda que se existisse mais informação aos motoristas aumentaria a fluidez na área. "Ninguém domina as novas pistas. Foram restringidos acessos", disse. Os motoristas desconhecem a nova formatação das pistas, acrescentou. "Acessos foram eliminados e a sinalização é provisória."

Piores trechos

Há problemas na saída da Dutra - viaduto só vai ficar pronto em junho -; no Tamanduateí - estreitamento da pista - e no Complexo das Bandeiras - com interdições embaixo da ponte e na pista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.