'A violência é a força sem medida. A força é a violência com medida'

Ex-ministro e orientador da dissertação de mestrado, Celso Lafer diz que é bom analisar a PM de dentro da corporação

O Estado de S.Paulo

22 Julho 2012 | 03h08

A educação e o treinamento em Direitos Humanos de qualidade deve ensinar o aluno policial a compreender a diferença que existe entre a força e a violência. A opinião é do ex-ministro das Relações Exteriores durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, o advogado e jurista Celso Lafer, professor titular da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, na Universidade de São Paulo. Lafer orientou a dissertação de Adilson Paes de Souza. "A dissertação se preocupa em conter a violência policial e entender em que medida pode contribuir para isso."

O professor cita o filósofo italiano Norberto Bobbio para explicar o que existe entre força e violência. "A violência busca o imediatismo, é descontínua, desproporcional, imprevisível. A violência é a força sem medida. A força é a violência com medida."

Lafer afirma que o bom policial é aquele capaz de gestos regulares, claros e precisos. Um curso de Direitos Humanos, portanto, deve buscar formas apropriadas de estabelecer as medidas para o uso da força. "Quando se escapa da medida, vira arbítrio. O interessante dessa dissertação é que seu autor observa o problema de dentro, como integrante da Polícia Militar, alguém que conhece os problemas do dia a dia da corporação."

Contribuição. O capitão Eder Antônio de Araújo, porta-voz da PM, afirmou que as entrevistas dadas pelos policiais matadores e a dissertação são bem-vindas. "Tudo o que contribui para lidar com assuntos relacionados a Direitos Humanos só pode ser visto com bons olhos pela PM", diz Araújo. "Não importa se o trabalho é feito por policiais ou civis. O importante é que acrescente." / BRUNO PAES MANSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.