Reginaldo Pupo/AE
Reginaldo Pupo/AE

A um mês da temporada de cruzeiros, Ilhabela se prepara para 'invasão'

Estimativa é de que 348 mil turistas, em 131 escalas de 21 navios, aportem na ilha e deixem R$ 16,5 milhões no comércio local

REGINALDO PUPO, ESPECIAL PARA O ESTADO, ILHABELA, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2012 | 03h07

Um dos destinos turísticos mais procurados do Brasil, Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, começa a receber no próximo mês visitantes dos cruzeiros que fazem escala na cidade nesta temporada 2012-2013. A ilha se prepara para a chegada de turistas de 21 navios, que farão 131 paradas até o dia 11 de abril, segundo a Secretaria Municipal de Turismo. Os comerciantes preveem faturamento alto.

O primeiro transatlântico aportará na ilha no dia 14 de novembro. Até lá, o trade turístico já vem investindo na aquisição de equipamentos e na contratação de funcionários temporários para atender à demanda.

A novidade é a chegada dos navios MSC Fantasia, MSC Magnífica, Costa Favolosa, Costa Fascinosa, Azamara Quest, L'Austral e Seven Seas Mariner, que aportarão pela primeira vez em Ilhabela.

Na temporada passada (2011-2012), segundo a secretaria, 259 mil turistas conheceram a cidade em escalas de transatlânticos. Para esta temporada, a previsão é de que o número salte para mais de 348 mil turistas - um crescimento de 34,25%. A estatística, no entanto, pode aumentar, uma vez que nem todos os pacotes foram comercializados pelas operadoras.

A expectativa da diretora de Turismo de Ilhabela, Eunice Bourrol, é de que cada turista desembolse, em média, R$ 156 no comércio. A maior procura é por lojinhas de artesanato, lembranças, restaurantes e serviços, como passeios de jipe e escuna. "Cruzando as informações de gastos da temporada passada com a previsão do número de cruzeiristas desta temporada, acreditamos que o comércio poderá faturar em torno de R$ 16,5 milhões no período", diz Eunice.

Investimentos. O empresário Rafael Morais, da Ecoway Passeios, adquiriu mais um micro-ônibus e uma van para atender os turistas. "Estamos investindo R$ 340 mil para melhorar o atendimento", diz Morais. A empresa contratará mais três funcionários temporários. A Maremar Turismo também realizou investimentos e adquiriu uma lancha, com capacidade para 45 lugares. "Ela será usada para passeios na Praia de Castelhanos, que é a mais procurada pelos turistas de cruzeiros", diz o proprietário, Marcos Cará.

Localizado mais ao sul de Ilhabela e a caminho da Praia do Curral, o restaurante da Pousada Praia do Portinho aposta em sua feijoada - ao preço de R$ 20 - para atrair os turistas de navios. "Muitos deles buscam comida típica brasileira, iguaria que não é encontrada nos cruzeiros, que oferecem cardápios com pratos mediterrâneos", explica a proprietária Marisa Robergas.

A empresária Djane Vitoriano de Jesus, do restaurante Cheiro Verde, aposta em pratos simples. "Muitos desembarcam para almoçar arroz e feijão."

O boom de turistas, porém, traz a preocupação com o impacto ambiental - 78% do arquipélago de Ilhabela é considerado Parque Estadual, uma reserva de Mata Atlântica. "A orientação é que o turista procure consumir o mínimo possível de produtos e tente produzir pouco lixo", comenta o biólogo Walter Barrella, professor de Ciências do Ambiente da Pontifícia Universidade Católica (PUC). "Também é interessante que esse turista faça uma visita monitorada para conhecer a natureza da ilha. Com consciência, ele passa a preservar." / COLABOROU EDISON VEIGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.