1. Usuário
Assine o Estadão
assine

A matriarca das modelos nuas de SP

EDISON VEIGA - O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2011 | 03h 02

Há 50 anos, a pernambucana Vera França, de 70, posa para artistas plásticos e diz que criou as filhas com o trabalho

Dona Vera tem 70 anos e não para: está no Centro Cultural São Paulo, em ateliês de artistas e até em oficinas de escritores. Não pensa em aposentadoria e tem uma profissão vista como ousada. Aliás, Dona Vera não gosta de ser tratada de "senhora" nem de "dona", apenas Vera. Há 50 anos, Vera França - nome artístico de Maria das Dores França - é modelo nua. "Matriarca" da profissão em São Paulo, posa para desenhistas, escultores e todo tipo de artista. Ganha de R$ 80 a R$ 100 por hora e é bastante requisitada. "Criei minhas duas filhas com meu trabalho", orgulha-se.

Nascida no sertão de Pernambuco, Vera passou a infância ajudando seus pais na roça. "Éramos 13 irmãos", conta. Desde menina, sonhava ganhar a vida sem roupas. "Eu devia ter 4 anos quando vi uma foto de uma mulher linda, nua, sobre uma pedra. Fiquei encantada. Queria ser como ela."

Com menos de 15 anos, mudou-se para Salvador. "Trabalhei em fábrica de sapatos, fui doméstica, artista de circo." Prestes a completar 20 anos, começou a atuar como modelo, ainda na capital baiana. "Surgiu a oportunidade de ser modelo para desenhistas da escola de Belas Artes", lembra. "Foi uma época puxada. Eu entrava às 7 horas e, não raras vezes, ficava até as 22 horas. Chegava a ficar oito horas seguidas sem me mexer", lembra. Vera conta ainda que a família nunca achou ruim. "Eu sempre fui dona da minha cabeça."

Então, ela soube que em São Paulo poderia ganhar mais dinheiro posando para artistas. Decidiu se mudar. O ano: 1966. Na capital paulista, conheceu novos artistas. "Cheguei a morar na casa do (arquiteto e desenhista) Flávio de Carvalho (1899-1973), por três meses", diz. "Sempre achei bacana conviver com os artistas. Sinto-me em casa, são minha família", comenta ela, que nunca se casou. "Qualquer marido teria ciúmes de meu trabalho", justifica-se.

Entre uma pose e outra, Vera ainda se dispõe a fazer cursos. Atualmente, está aprendendo a criar bijuterias e matriculou-se em aulas de informática. Vera não para.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo