'A CET não passa aqui', diz guardador

Com estacionamentos que custam R$ 15 a primeira hora e R$ 10 a hora seguinte, pagar R$ 7 em uma folha de Zona Azul no entorno do Mercado Municipal, na região central, parece até uma pechincha. É esse argumento que os flanelinhas que atuam na Rua da Cantareira usam na hora de convencer os motoristas a pagar mais do que o dobro pela folhinha que garante 1h de parada.

O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2011 | 03h05

"Ih, rapaz, os estacionamentos estão lotados. Aproveita que você deu sorte de arrumar essa vaguinha. É Zona Azul, mas eu tenho a folhinha", diz o guardador ao empresário Vartan Chorbajion, de 36 anos, que não hesita, para o carro e entrega o dinheiro ao homem. "O estacionamento está uma fortuna. Acaba compensando pagar o flanelinha e parar na porta do mercadão", justifica o empresário.

Na Avenida do Estado, perto do mercado, cinco homens tomam conta das vagas. Eles sugerem que os motoristas deixem seus carros em cima das calçadas. "Fica tranquilo que a CET não passa aqui", diz um guardador que cobra R$ 10. A vaga está isolada com uma faixa amarrada em dois caixotes. Dez metros à frente, outro flanelinha oferece uma vaga embaixo do Viaduto Diário Popular. "Só R$ 5 para ajudar a família", justifica. / C.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.