A casa do imigrante alemão que fundou a Typographia Brasil

O alemão Moritz Rothschild chegou ao Brasil no fim do século 19 para fundar uma gráfica que logo se tornou uma das mais importantes da recém proclamada República. Seu casarão, cujo projeto é de autoria desconhecida, foi inaugurado em 1910. Ele sobreviveu ali por mais de meio século. O imóvel não foi vendido nem quando Rothschild leiloou várias de suas propriedades para ajudar no esforço bélico alemão na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - motivo pelo qual, aliás, foi proibido pelo governo brasileiro de exercer atividades comerciais.

EDISON VEIGA, RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

11 Dezembro 2011 | 03h05

Atualmente, o lote abriga uma parte do Edifício Eloy Chaves, torre comercial de 15 andares. Já o antigo prédio da gráfica de Rotschild, no centro de Santos, teve destino melhor - foi tombado e hoje é uma casa noturna com o mesmo nome da antiga gráfica, Typographia Brasil. A explicação é que, como o prédio era tombado, o letreiro original tinha de ser mantido ali, e assim foi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.