A cada 10 anos, um raio X dos hábitos da metrópole

Pesquisa 'Origem e Destino' (OD) é publicada desde 1967 e tem o objetivo de nortear políticas públicas

Renato Machado, de O Estado de S.Paulo,

02 Abril 2009 | 23h14

SÃO PAULO - A pesquisa “Origem e Destino” (OD) é publicada a cada dez anos, desde 1967. Ela tem o objetivo de nortear políticas públicas e o planejamento de transportes. Além disso, ela ganhou destaque por ser um raio X dos hábitos da população dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo. Por isso os resultados - embora até então não fossem totalmente abertos ao público - são usados por outros setores da economia, para identificar locais com potenciais para investimento.

 

Veja também:

linkMilhares de itinerários e um destino: o centro

linkQuase metade das viagens individuais tem menos de 15 minutos 

 

O Metrô, entidade que coordena a pesquisa, afirma que a base matemática do levantamento estará disponível a partir de hoje em seu site para a consulta de interessados, mediante um cadastro.

 

Por meio da OD, é possível conhecer a dinâmica dos deslocamentos na região. Os números indicam onde acontecem os principais fluxos de viagens, de que modo elas são feitas, em quanto tempo e em quais horários. Para isso, são realizadas pesquisas nas residências - onde são identificadas as viagens internas, por meio de cadastro e amostra de residências - e também na linha de contorno da região metropolitana, com contagem e amostra de veículos e passageiros.

 

Foram visitados 30 mil domicílios e entrevistadas 90 mil pessoas. As consultas somente foram consideradas válidas quando todos os membros da família respondiam às questões. Nos limites da região foram consideradas entrevistas com ocupantes de 36 mil veículos, entre automóveis, táxis, ônibus, vans e caminhões.

 

O investimento na pesquisa foi de R$ 8 milhões, sendo que 50% partiu do Metrô. Os outros participantes são a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), a Empresa Metropolitana de Trens Urbanos (EMTU), a São Paulo Transporte (SPTrans) e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.