1. Usuário
Assine o Estadão
assine


6 das 10 cidades com mais carros per capita ficam no eixo SP-Campinas

Bruno Paes Manso, Renato Machado - O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2010 | 00h 00

Lista surgiu do cruzamento de dados do Denatran com a população do IBGE; até pequenos municípios sofrem com congestionamentos

Os transtornos causados pelo crescimento acelerado da frota brasileira de carros afetam principalmente cidades de porte médio, com menos de 2 milhões de habitantes, localizadas nas regiões metropolitanas mais ricas do Sul e Sudeste do Brasil. São esses os municípios que lideram o ranking de carros per capita no País feito pelo "Estado". Entre as dez primeiras estão Campinas, São Caetano do Sul, Santo André, Valinhos e Jundiaí.

Com 1,8 milhão de habitantes, Curitiba, que exportou ao mundo o modelo de transporte coletivo com base em corredores de ônibus, é uma das surpresas do ranking. Ocupa a 2.ª colocação. Já São Paulo, cidade com a maior frota absoluta de carros, fica em um modesto 9.º lugar, duas posições abaixo de Valinhos, cidade com 107 mil habitantes. Municípios de Santa Catarina com menos de 500 mil habitantes, como Florianópolis, Blumenau e Brusque, as duas últimas localizadas no Vale do Itajaí, ocupam as outras três posições entre os dez primeiros.

O ranking foi feito do cruzamento dos dados da frota do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) com a população medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "A lista das localidades com maior ocorrência de carros por habitantes está diretamente ligada ao poder econômico. Essas são cidades ricas e com grande concentração de empregos", diz o presidente da Associação Nacional de Transporte Público (ANTP), Aílton Brasiliense.

Ele aponta que a opção pelo automóvel é resultado de três fatores: status, má qualidade do transporte público e flexibilidade de tempo. "São fatores que levam a pessoa a preferir o veículo individual. Não eram todos que podiam se dar a esse luxo no passado, mas hoje as condições econômicas facilitam."

Tráfego e violência. Com o incentivo da expansão de crédito e isenção de impostos, já são 35,3 milhões de carros no País - 66% a mais que em 2001. Em 2005, o Brasil ocupava a 10.ª colocação entre os principais países vendedores de carro, saltando para o 4.º lugar neste ano, quando ultrapassou a Alemanha.

O aumento dos congestionamento em ruas e estradas e o crescimento dos acidentes de trânsito são os principais efeitos do aquecimento das vendas. Levantamento divulgado nesta semana pelo IBGE mostrou que os acidentes de trânsito já matam mais que os homicídios em oito Estados brasileiros. São Paulo, Santa Catarina e Paraná, Estados com cidades em posição de destaque no ranking de carros por mil habitantes, estão entre eles.

O caso de Santa Catarina é o que mais chama a atenção. Com três cidades entre as mais motorizadas, possui a menor taxa de homicídio brasileira (10,4 por 100 mil habitantes) e a segunda maior taxa de mortes em acidentes por transportes (32,7 por 100 mil habitantes). "Se a quantidade de carros já é muito alta, para piorar, as estradas litorâneas de Santa Catarina recebem um número excessivo de turistas. Em Florianópolis, os grandes congestionamentos são um dos fatores que mais aborrecem a população", diz o diretor-geral do Detran no Estado, Vanderlei Russo.

Enquanto nas grandes cidades o trânsito é assunto diário, locais como Valinhos e Indaiatuba, no interior de São Paulo, já apresentam ruas paradas nos horários de pico, algumas com suas peculiaridades. "Nessas cidades, o maior congestionamento acontece nos fins de semana, principalmente aos sábados", explica o professor do departamento de trânsito da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Unicamp, Carlos Alberto Bandeira Guimarães.

Especialistas atribuem o grande crescimento da frota na região de Campinas à construção de condomínios residenciais fechados. "São pessoas que já eram adeptas do automóvel, mas que aumentaram ainda mais o uso porque o transporte coletivo não atende com qualidade a esses condomínios mais afastados", diz Guimarães.

Movimento na Via Anhanguera sobe 73% em oito anos

As rodovias no eixo São Paulo-Campinas passaram a receber mais carros porque muitos moradores de cidades como Valinhos e Jundiaí trabalham na capital. Entre ida e volta, eles percorrem diariamente cerca de 200 quilômetros. O movimento diário de automóveis entre os dois polos aumentou 73% em oito anos na Rodovia Anhanguera - passou de 17.031 para 29.470 (por sentido). Na Rodovia dos Bandeirantes, a alta foi de 35% - subiu para 63.351.

  • Tags: