4 suspeitos morrem em troca de tiros com PMs na zona sul de SP

Quadrilha interceptou dois ônibus para bloquear via e invadir agência; durante perseguição, uma pessoa foi atropelada 

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

19 Janeiro 2015 | 08h32

Atualizado às 9h50

SÃO PAULO - Quatro criminosos morreram durante uma troca de tiros com policiais militares após ataque a uma agência bancária na região do Jabaquara, na zona sul da capital paulista, na manhã desta segunda-feira, 19. Outros integrantes da quadrilha ainda estão foragidos e uma pessoa foi atropelada pelos assaltantes na tentativa de fuga.

Fortemente armada, a quadrilha teria interceptado dois ônibus para bloquear a via, e, depois, invadido e atacado uma agência do Banco do Brasil, localizada na Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, no Jabaquara, por volta das 6h. Segundo a Polícia Militar, a companhia recebeu uma ligação anônima de uma pessoa que teria suspeitado da presença dos criminosos no local.

Quando os oficias da Força Tática do 3º Batalhão da PM chegaram, teriam sido recebidos a tiros pelos bandidos, segundo relata a corporação. Os criminosos tentaram fugir em três veículos, mas foram perseguidos pelos agentes. Durante a tentativa de fuga, uma pessoa foi atropelada e socorrida pelos policiais para o Hospital Municipal do Jabaquara. De acordo com a PM, a agência bancária foi danificada. 

A troca de tiros continuou durante a perseguição policial. Os criminosos abandonaram os três carros - um Honda Fit, um Honda Civic e um Chevrolet Agile - na Rua Alba, também no Jabaquara, diz a PM. Na troca de tiros, quatro assaltantes foram atingidos e morreram no local.

Outra parte da quadrilha conseguiu correr para as proximidades da Favela Alba, comunidade da região, e está foragida. Uma viatura da PM também foi atingida, mas nenhum policial ficou ferido.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), foram apreendidos dois fuzis e duas pistolas. Os policiais também encontraram "uma grande quantidade de explosivos", abandonados na agência bancária. O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da PM foi acionado para recolher os explosivos. O caso será investigado pelo 35º Distrito Policial (Jabaquara).

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Jabaquara Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.