25 de Março agora também é ''gourmet''

Região famosa pelo comércio popular aumenta a oferta de acessórios chiques para cozinha e chama a atenção pelas marcas importadas

Valéria França, O Estado de S.Paulo

24 Abril 2010 | 00h00

Conhecido paraíso das sacoleiras, a Rua 25 de Março, no centro de São Paulo, oferece um novo perfil de produto: acessórios para cozinha. Nas opções, a novidade são as marcas profissionais importadas como Staub, Mauviel e Pegeot.

Para ter certeza da qualidade e da variedade dos produtos nacionais e importados vendidos nas lojas da região, o Estado convidou o chef francês Laurent Suaudeau, de 53 anos, dono de uma escola de artes culinárias, para avaliar as mercadorias.

Quando aceitou o convite, Laurent ficou um pouco cético em relação ao que de fato acharia. "É muito difícil comprar equipamentos profissionais para cozinha no Brasil. Muita coisa ainda os gourmets trazem na mala quando viajam", contou.

Mas, ao entrar na Doural, uma das casas mais antigas da região, que antes vendia apenas tapetes e cortinas e agora resolveu diversificar seu comércio, ele se surpreendeu. "Olha, essa panela aqui eu ganhei uma igual há 30 anos do chef Paul Bocuse. Está intacta", disse, apontando para uma La Cocotte (panela de fazer frango) de ferro, da francesa Staub (R$ 827,44). "Nesta não é necessário colocar gordura."

Ficou também admirado de encontrar uma sauteuse (panela para comidas salteadas) da marca belga Demeyer (R$ 856). "É indispensável na cozinha." Na prateleira havia também uma coleção completa de panelas de cobre Mauviel (uma sauteuse, R$ 884). "Todo restaurante três estrelas usa este tipo na França."

No balcão da loja da 25 de Março, elas são mais procuradas por clientes homens. As mulheres preferem materiais mais práticos, como inox. E o dono, Fernando Abdalla, garante que seus preços de importados são em média 10% mais baratos.

Marcas nacionais são encontradas em lojas conhecidas, como a Camicado. Outra opção é o Rei da Cutelaria que oferece, por exemplo, jogo de facas da linha chef da Tramontina, com nove unidades, por R$ 412. A casa ainda trabalha com Hércules e Mundial. "Se ainda tivesse meu restaurante, hoje compraria aqui", conclui Laurent.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.