Venho por meio desta

Venho por meio desta

Angélica Arbex

09 Março 2016 | 10h47

aviso elevador

Difícil encontrar um lugar onde a língua portuguesa seja mais maltratada que nos elevadores brasileiros. Tenho uma amiga que coleciona fotos destes avisos, ela promete que  virarão livro, por enquanto já servem de roteiro para comédias stand up . Seria cômico se…

Por que que precisa ser assim? Por que precisa de tanto rodeio, dramatização, para dar um recado, engajar as pessoas em uma causa. Não consigo descobrir o porquê, mas desconfio que os redatores dos avisos de elevador gostariam de transformar essas poucas linhas em alguma outra coisa: partes de um processo com todo “juridiquês” que têm direito; um drama mexicano campeão dos lenços úmidos; plataforma de uma campanha eleitoral… Vejam só:

“Nosso condomínio tão castigado pela ação de vândalos adolescentes sem supervisão vem sendo destruído dia após dia são exemplos o lixo jogado das janelas sem qualquer culpa ou arrependimento as escadas destruídas  e com muitas pichações os urros na madrugada que incomodam muito nossos idosos inclusive muitos acamados. Está no regulamento e na convenção.

Não podemos permitir que isto continue precisamos de você estimado condômino. Seja um fiscalizador dos atos dentro do nosso condomínio somos uma família.  Não tenho medido esforços para cumprir e fazer cumprir este regulamento. Venho por meio desta alertar pela ultima vez que implantei o sistema de tolerância zero. TODOS SERÃO PUNIDOS! A ORDEM QUE ESPERAMOS NO NOSSO PAÍS TEM QUE COMEÇAR NO NOSSO CONDOMÍNIO.

Assinado: A administração”

Este anúncio estava pregado em um condomínio de São Paulo na semana passada. Assim mesmo, sem pontuação. Quem nunca se deparou com um desses e saiu do elevador rindo ou abanando a cabeça. No fim de semana quando comentei que escreveria sobre isso, todas as pessoas com as quais eu falei, me contaram casos deste tipo. O  que aumentou a minha vontade de lançar um desafio para todos aqueles que escrevem estes comunicados. Três atitudes, apenas três que podem trazer uma revolução para a forma como nos comunicamos nos elevadores (vale também para as cartas embaixo da porta):

  1. Simplifique: você precisa passar uma mensagem? A simplificação é uma bênção. Pense em você lendo o recado que escreveu.
  2. Vírgulas, ponto e vírgula, ponto final. Dispensa outras explicações. No caso de ter falta de ar ao reler a frase, está faltando pontuação;
  3. Sem melodrama. Uma mensagem franca, direta, respeitosa e coerente vai causar mais empatia e engajamento em quem a lê.

Minha sugestão para o aviso sobre adolescentes e barulho aí de cima:

Caros Vizinhos,

Gostaria de compartilhar com vocês algumas dicas para melhorar a convivência no nosso condomínio:

– Precisamos evitar, de maneira definitiva, que qualquer objeto seja arremessado das janelas e sacadas. Instalamos novas câmeras para monitorar  e repreender comportamentos inadequados.

– Barulho excessivo no condomínio após as  22h, não pode!. Já falamos a respeito e consideramos este um consenso para uma boa qualidade de vida.

– As áreas comuns, incluindo  as escadas, fazem parte do patrimônio de todos. Destruí-las faz com que o preço dos nossos apartamentos caia para além dos índices destes tempos de crise. Você gostaria de comprar um apartamento com a área comum mal conservada?

Tornar o nosso condomínio um lugar melhor para viver é uma ação que só depende de nós. Gostaria de utilizar advertências e multas apenas em último caso. Anotem meu e-mail para trocar ideias a respeito sindico@bomsenso.com.br

Conto com vocês.

Antonio Silva

Síndico

 Correções com a colaboração da leitora Izabela Karennina