Vereadores surfam na onda corintiana

Estadão

03 Junho 2009 | 13h23

Agenda do Corinthians, com apoio do vereador Goulart
Agenda do Corinthians, distribuída pelo vereador Goulart na Câmara

Por Diego Zanchetta

É incrível a capacidade de “jogar para a torcida” na Câmara Municipal. Há quase um mês, foi montada uma comissão de estudos para analisar a concessão do estádio do Pacaembu, assunto que ainda não se tornou projeto do Executivo. Em campo, entraram os vereadores Goulart (PMDB) e Dalton Silvano (PSDB), a dupla que propaga ser da “bancada corintiana”. Ambos defendem em audiências públicas a concessão do estádio para o Corinthians.

Essas audiências são realizadas com dinheiro público, já que exigem todo o destacamento do cerimonial do Legislativo (cafezinho, transmissão da TV Câmara, recepção para os convidados, etc). E servem apenas como palanque para os dois vereadores, uma vez que não existe projeto sobre o assunto. Apesar da incipiência legal da concessão de um espaço municipal a um único clube de futebol e da posição contrária da maior parte dos moradores do bairro, os dois vereadores adotam discurso uníssono em favor do clube do Parque São Jorge. E aproveitam a TV Câmara para mostrarem a defesa em prol do time de maior torcida do Estado.

O secretário municipal de Esportes, Walter Feldmann, também costuma “surfar” na onda da concessão do Pacaembu e volta e meia fala sobre o assunto, como se já fosse um projeto consolidado. Feldmann também já declarou considerar importante a discussão no Legislativo.

Fora o ufanismo corintiano, os vereadores também estão preocupados com a Copa do Mundo de 2014. Jamil Murad, do PCdoB, partido que loteia o Ministério dos Esportes, propõe hoje em requerimento a Frente Parlamentar para acompanhar os preparativos do evento.

Como vemos, a onda “Corinthians-Ronaldo” e a Copa do Mundo no Brasil foram rapidamente encampadas pela Câmara. É uma pena que a mesma velocidade os vereadores não tenham apresentado, por exemplo, para montar comissões de análise de projetos como a concessão de 30 anos dos serviços de saneamento para a Sabesp, texto que será votado hoje à tarde em segunda e definitiva discussão. Para os parlamentares, pelo visto a concessão de um estádio é mais importante que a concessão da água.