O músico do caos urbano

Estadão

28 Junho 2009 | 06h00

FOTO: Antonio Milena/AE

Por Edison Veiga

O maestro paulistano Livio Tragtenberg, 48 anos, é o personagem da seção Paulistânia que o Estado publica hoje. Autodidata, ele começou a se interessar por música aos 13 anos. Desde 1983, faz trilhas para cinema – começou com curta-metragens, depois partiu para os longas.

Livio está à frente de diversos projetos bacanas. O Neuropolis, criado em 2004, reúne 14 músicos de rua de São Paulo. O projeto se expandiu e ganhou réplicas em Miami, Berlim e Rio de Janeiro. Em breve chegará a Bruxelas. “A diferença entre elas é total”, conta. “Em São Paulo foi onde consegui a maior mistura de estilos musicais: aqui você tem o boliviano ao lado do japonês, do maranhense, do pernambucano… Coisa de metrópole.”

No YouTube há um vídeo que mostra um pouco a história dessa inusitada orquestra:

[kml_flashembed movie=”http://www.youtube.com/v/F9Eb836bL5M” width=”425″ height=”344″ wmode=”transparent” /]

Quando recebeu o Estado, na última terça-feira, Livio também falou sobre sua relação com a cidade. “Meu ‘esporte’ preferido é andar erraticamente por São Paulo. Adoro o centro, até o que ele tem de decadente”, diz. “É um local muito rico em termos humanos.”

Ele se mostrou, entretanto, decepcionado com os “rumos que as coisas estão tomando”. “Aqui é o ‘jeca set’, não é o ‘jet set’. Porque o paulistano é jeca, eu mesmo me assumo como um deles”, critica. “É o jeca urbano, uma mania de querer se sentir em Paris, em Nova York… Aqui há uma realidade muito interessante e própria, não precisamos querer ficar imitando.”