MPE abre inquérito para investigar vídeos com ‘Temer Jamais!’ na Virada Cultural
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

MPE abre inquérito para investigar vídeos com ‘Temer Jamais!’ na Virada Cultural

A partir de representação do PMDB, promotora questiona gestão Haddad sobre critérios de escolha de artistas e quem operava telões

Fabio Leite

27 Junho 2016 | 17h39

O Ministério Público Estadual (MPE) abriu inquérito civil para investigar a “utilização de shows da Virada Cultural para manifestação político-partidária” contra o presidente em exercício, Michel Temer (PMDB). Durante o evento promovido pela gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), entre os dias 20 e 22 de maio, os telões de vários palcos exibiram a mensagem “Temer Jamais!”, em protesto contra o peemedebista que acabara de assumir a Presidência da República após o afastamento de Dilma Rousseff.

A investigação será conduzida pela promotora de Justiça Karyna Mori, da Promotoria do Patrimônio Público e Social, a partir de uma representação feita logo após o evento pelos vereadores Ricardo Nunes, George Hato e Nelo Rodolfo, da bancada do PMDB na Câmara Municipal, ao procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Smanio. Os parlamentares acusam Haddad de “uso da máquina pública municipal para incitar a população contra o presidente em exercício”, hoje adversário político do PT, partido do prefeito.

fora temer

Show de Criolo foi um dos que tiveram protesto. FOTO: Rafael Arbex/Estadão

Na ocasião, a gestão Haddad, que investiu cerca de R$ 15 milhões na Virada Cultural, informou em nota que quaisquer manifestações ocorridas durante o evento foram de iniciativa e responsabilidade dos artistas e do público presente. Segundo a representação, os protestos contra Temer teriam ocorrido nos palcos instalados na Avenida São João, Praça da República, Praça Júlio Prestes e Avenida Rio Branco.

A promotora já notificou a Prefeitura para que a gestão Haddad esclareça qual foi a forma de seleção e o objeto dos contratos dos artistas que participaram da Virada Cultural, se eles têm alguma ligação político-partidária com a administração municipal e se não existe uma cláusula que proíba conteúdos político-partidários nos shows.

Karyna quer saber ainda quem foram as pessoas responsáveis pela operação dos telões e inserções dos conteúdos contra Temer e pediu cópia digitalizada dos contratos dos artistas Criolo, Banda Bixiga 70, Detonautas, Nação Zumbi, MC Bin Laden, Banda Cidadão Instigado e das cantoras Céu e Elza Soares, cujos shows tiveram manifestações contrárias ao presidente em exercício.

“O prefeito mentiu quando disse que não teve responsabilidade sobre as manifestações políticas na Virada Cultural. Fez campanha contra o presidente Temer com dinheiro público. É um funcionário da Prefeitura que controlava os telões e a Prefeitura quem contratou os artistas”, disse o vereador Nelo Rodolfo (PMDB), um dos autores da representação.

Procurada sobre a instauração do inquérito, a gestão Haddad informou que “reitera que todas as manifestações que ocorreram na Virada Cultural foram de iniciativa de dos artistas, da produção dos espetáculos e do público em geral” e que “a Prefeitura não tem nenhum envolvimento nisso.” Ainda segundo a administração, a gestão “não poderia proibir as manifestações espontâneas”.