Motoristas de ônibus não recebem aumento e ameaçam nova greve; empresas pedem acordo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Motoristas de ônibus não recebem aumento e ameaçam nova greve; empresas pedem acordo

Reajuste deveria estar nos holerites entregues nesta segunda-feira; empresas de ônibus se dizem sem fluxo de caixa e oferecem solução até sexta-feira

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

06 Junho 2016 | 18h08

Os motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo não receberam o aumento de 7,5% que havia sido acordado com os empresários da cidade há duas semanas. O acordo evitou uma greve.

O salário reajustado deveria estar nos holerites que foram entregues nesta segunda-feira, 6. Não estão. Os depósitos foram feitos com os salários antigos, o que revoltou trabalhadores de garagens da cidade.

O presidente do Sindicato dos Motoristas, Valdevan Noventa, afirmou que a situação é “inadmissível” e disse ter falado com as empresas de ônibus e com a Prefeitura que, caso os pagamentos não sejam corrigidos em 24 horas, os ônibus da cidade vão parar. “O prazo vence amanhã. Se não pagarem, quarta-feira faremos greve em 100% dos ônibus da cidade”, promete.

terminal de ônibus

“Dizem que motorista de ônibus é radical. Mas quem não cumpriu o acordo foi eles”, esbravejou o sindicalista.

O SPUrbanuss, sindicato que reúne as empresas de ônibus da capital, confirmou o atraso. A assessoria de imprensa da entidade disse que algumas das empresas tiveram problema de fluxo de caixa. Outras, tomaram empréstimo para honrar o compromisso. A promessa é que todos os pagamentos sejam normalizados até sexta-feira, 10, com o depósito na diferença dos salários.