Coordenador do MBL vota em petista em comissão da Câmara de SP
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Coordenador do MBL vota em petista em comissão da Câmara de SP

Vereador Fernando Holiday (DEM) alega "acordo" feito pela gestão Doria para votar em Senival Moura (PT) para presidir a Comissão de Transportes

Bruno Ribeiro e Fabio Leite

10 Fevereiro 2017 | 18h12

Fernando Holiday ao lado de João Doria. Foto: Reprodução/Facebook

Fernando Holiday ao lado de João Doria. Foto: Reprodução/Facebook

Crítico ferrenho do PT e um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre (MBL), expoente dos atos pró-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o vereador Fernando Holiday (DEM) estreou nesta sexta-feira, 10, como membro da Comissão de Transporte da Câmara Municipal votando no PT.

Holiday e os demais seis integrantes da comissão votaram no petista Senival Moura para presidir os trabalhos. Ao blog, Holiday disse que votou no PT para cumprir “um acordo” feito pela gestão João Doria (PSDB) com os partidos e a “proporcionalidade” das bancadas partidárias na Câmara.

“Na verdade, esse já era um acordo que se tinha com o governo. No Legislativo, você precisa cumprir a proporcionalidade, a representabilidade dos partidos. E o PT, o regimento interno já previa, tinha o direito a presidir duas comissões e no colégio de líderes decidiu-se que uma seria a Finanças e outra seria a de Transportes”, disse Holiday.

“Até mesmo para não contrariar o governo, porque sei que isso causaria um burburinho no andamento das propostas do governo e do Poder Executivo como um todo, acabei cumprindo esse acordo e seguindo a orientação do governo para votar no vereador Senival”, completou o jovem democrata, um dos líderes dos atos contra o governo do PT em 2015 e 2016.

Na eleição da Mesa Diretora da Câmara, no dia 1.º de janeiro, o estreante no Legislativo paulistano se recusou a votar no petista Arselino Tatto para o cargo de 1.º secretário da Casa, também fruto de um acordo entre as bancadas e a gestão Doria. Agora, contudo, recuou.

“Ali (eleição da Mesa), não havia necessidade (de votar no petista) porque tinha o plenário inteiro e ele estava eleito. Nas comissões, como já tinha o precedente e não tinha certeza desse voto, por questão de segurança e estabilidade do governo, achei melhor seguir o acordo”, justificou.

Punição. Holiday pertence ao mesmo partido do presidente da Câmara, Milton Leite (DEM). Momentos antes de o novato ter “cumprido o acordo”, um colega de bancada, David Soares, havia feito o contrário, ajudando a eleger Souza Santos (PRB) presidente da Comissão de Política Urbana, quando o acordo era nomear Fábio Riva (PSDB).

Após descumprir o acordo, Soares foi publicamente repreendido por Milton Leite e destituído da liderança da sigla e da comissão. “O Democratas já tomou a decisão. Reunidos aqui, eu e o vereador Dalton (Silvano), como sou o mais idoso, passo a exercer o cargo de liderança e retiro da Comissão de Política Urbana o vereador David Soares”, disse o presidente da Câmara. O PSDB também criticou a atitude de Soares.

0 Comentários