Festa do Divino completa 191 anos de tradição em Piracicaba
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Festa do Divino completa 191 anos de tradição em Piracicaba

José Tomazela

03 Julho 2017 | 09h21

Com a ‘derrubada dos barcos’, o lançamento das embarcações nas águas do rio que dá nome à cidade, no Largo dos Pescadores, os moradores de Piracicaba iniciaram neste domingo (2) as celebrações da Festa do Divino, uma tradição que se repete há 191 anos. Durante os oito dias do evento, um dos mais tradicionais do interior, cerca de 40 mil pessoas devem acompanhar as festividades. A festa, iniciada em 1826, é tombada como patrimônio imaterial da cidade e se destaca pela mistura de religiosidade, gastronomia e diversão.
Até o encerramento, no próximo domingo, estão previstas procissões, missas, quermesses, apresentações musicais e pirotécnicas. O presidente da Irmandade do Divino, Adilson de Souza Menezes, destaca a força de uma tradição religiosa que vem atravessando séculos. “A Festa do Divino está na raiz da nossa cultura e fazemos de tudo para que seja mantida para sempre. Nossa família participa há três gerações da organização do evento.”
Um dos pontos altos da tradição é a escolha do casal de festeiros que organiza a festa do próximo ano. Os festeiros carregam a bandeira oficial do Divino Espírito Santo – a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, segundo a crença cristã -, honraria dada este ano, ao casal Valéria e Eduardo Inforsato. Ao fim da festa, eles passam os símbolos ao casal escolhido para 2018.
Durante a semana, serão realizadas missas campais, o encontro das bandeiras e a visitação dos festeiros às famílias da região ribeirinha do Piracicaba, além do ritual da Congada do Divino. Nas quermesses, destacam-se a culinária tradicional, com o picadinho de carne, o cuscuz, o frango assado e a leitoa à pururuca. O encerramento terá a salva de morteiros.
Tradição iniciada em Portugal no século 14 pela rainha D. Isabel de Aragão, depois Santa Isabel, a Festa do Divino foi trazida ao Brasil pelos colonizadores portugueses, ganhando força a partir das primeiras décadas do século 16, na Bahia. No Estado de São Paulo, além de Piracicaba, a festa é tradicional em Tietê, Laranjal Paulista (Distrito de Laras), Conchas e Anhembi, na região do Médio Tietê, e ainda em São Luiz do Paraitinga, no Vale do Paraíba. O ritual inclui uniformes coloridos, bandeiras, mastros e símbolos da divindade.

Festeiros do Divino em barco no Rio Piracicaba. Foto Divulgação – Prefeitura de Piracicaba