Depois da pulseirinha, turismo de aventura cresce 12% em Brotas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Depois da pulseirinha, turismo de aventura cresce 12% em Brotas

José Tomazela

05 Março 2018 | 10h20

O visitante desavisado se surpreende quando chega em Brotas e vê muitas pessoas usando pulseirinhas coloridas, como aquelas fornecidas em baladas e eventos. A cidade é a primeira do Estado a adotar o voucher, uma taxa de controle de visitação no valor de R$ 1,09 para cada hospedagem ou atividade turística realizada no município. Dois anos após a adoção do sistema, o município de 23 mil habitantes já colhe frutos da iniciativa. Em 2017, o número de visitantes aumentou 12%, chegando a 280 mil – tinham sido 250 mil no ano anterior.
De acordo com o secretário de Turismo, Fábio Pontes, o voucher permitiu o controle da visitação aos ambientes naturais do município, como as cachoeiras, trilhas e rios com corredeiras, reduzindo o impacto ambiental. “Tivemos a adesão das agências e da rede hoteleira, de forma que as pulseirinhas são adquiridas com antecedência e entregues aos turistas e hóspedes no fechamento dos pacotes.” Há multa para quem não usa o adereço, mas a sanção só foi aplicada nos primeiros meses. “Hoje, a fiscalização já não encontra turistas sem a pulseirinha”, disse.
O turismo responde por 25% dos empregos diretos no município, com carteira assinada, além dos temporários e indiretos. Embora a receita com o voucher não seja tão significativa, tendo rendido R$ 211 mil ao município em 2017, um aumento de 16% em relação ao ano anterior, o sistema contribuiu para a formalização da atividade. A receita com o imposto sobre serviços foi de R$ 926 mil em 2017, 11% mais que em 2016. Com isso, o turismo rendeu à cidade de 23 mil habitantes cerca de R$ 1,1 milhão em arrecadação. “Desse total, 25% vão para a educação e 15% para a saúde, o que reflete na qualidade de vida dos moradores”, defende Pontes.
Segundo ele, num momento de crise na economia do país, os hotéis e pousadas de Brotas tiveram crescimento de receita. “Muitos turistas que viajariam para locais mais distantes acabaram vindo para cá. Nossa secretaria, por exemplo, fechou o ano de 2016 com superavit de R$ 608 mil, o que poucas estâncias turísticas conseguiram.” Parte dos recursos é investida na melhoria da infraestrutura turística, segundo ele. “Por lei, 50% do dinheiro do voucher vão para custear o próprio sistema, o que inclui a confecção da pulseirinha. Os outros 50% vão para um fundo municipal para ser investido exclusivamente no turismo.”
O uso da pulseirinha permite quantificar as hospedagens e as atividades turísticas mais realizadas. Segundo Pontes, o banco de dados mostra que, no ano passado, 60.211 turistas foram apenas visitar e conhecer a cidade. Outros 44.311 foram a Brotas praticar o rafting, esporte que teve crescimento de 19% em relação ao ano anterior. Os hotéis registraram 63.338 hospedagens, 16% a mais que em 2016.
No dia 8 de fevereiro, Brotas foi elevada da categoria C para a B no Mapa do Turismo Brasileiro, do Ministério do Turismo, o que implica em mais investimentos do governo federal. Conforme o secretário, cidade é reconhecida como a “capital do turismo de aventura” por reunir a maior oferta de atividades do segmento no país.

O rafting atraiu mais visitantes a Brotas. Foto: Secretaria de Turismo de Brotas