As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por favor, me internem!

Haisem Abaki

16 Setembro 2016 | 09h42

Eu, Haisem Abdul Baki, mais conhecido como Haisem Abaki e carinhosamente apelidado de Bidula, Turco e Hassan Mermão, no completo domínio das minhas faculdades, colégios e jardins da infância mentais, deixo aqui, publicamente, algumas recomendações a meus familiares e amigos caso percebam algumas atitudes estranhas de minha parte, não condizentes com minha conduta, embora com o devido desconto que deve ser dado a quem é de Gêmeos com ascendente em Libra.

Por favor, me internem se eu passar horas e mais horas numa rede social compartilhando ódio e preconceito, seja de que tipo for. Ideológico, por exemplo. Sim, me levem compulsoriamente para tratamento se eu der sinais de que penso que algum partido, político, juiz, promotor, procurador, delegado ou agente público, com ou sem tornozeleira eletrônica, esteja acima do bem e do mal e seja intocável.

Solicito que também me internem se eu demonstrar um fio de crédito que seja em discursos pirotécnicos e ilusionistas. E me levem para isolamento total se eu me impressionar ingenuamente com verborragias, lágrimas, palavras de ordem “espontâneas”, estratégias de vitimização, recursos tecnológicos  ou organogramas.

Peço que me internem se eu começar a ter discussões com argumentos rasos, a simplificar tudo e apenas ficar na gritaria, sem disposição para o diálogo, sempre vendo o mundo como se apenas existissem dois lados, o “nós” e o “eles”, o bem e o mal, o santo e o demônio.


Por favor, corram imediatamente para me internar se eu também escrever mensagens de intolerância religiosa, racial, de gênero, por condição financeira, grau de instrução, musical ou até mesmo de caráter “corintianístico”, “sãopaulístico” ou “santístico” em razão do meu confessado pendor “palmeirístico”.

Rogo ainda que me deixem em quarentena se eu passar um tempão diante do computador ofendendo e ameaçando bloquear quem não concorda com as minhas ideias, que são sempre corretas. E que aumentem o período de internação se eu fizer isso tudo e deixar de ir à padaria comprar um sonho para meu filho e um brigadeiro para minha filha.

Chamem uma junta médica se eu demonstrar  meu lado antissocial virtualmente e não encontrar tempo para um olhar para quem mais amo. A recomendação também vale para o caso de eu preferir o “internetês” a uma conversa em “cachorrês” durante um passeio com a Meg e com o Jubi.

Deixo tudo devidamente registrado como prova para que os responsáveis tenham plena convicção do que forem fazer, sem a necessidade de recorrer a falsas interpretações de conveniência. Não perguntem nada. Simplesmente me internem à força se eu tiver qualquer um desses sintomas. E me deixem lá, largado com os…. Não, pensando bem, os loucos de verdade merecem dignidade e não a companhia de gente tão insana assim. Podem me deixar do lado de fora mesmo. Porque aí, no fantástico mundo dos fanáticos, eu só serei mais um besta que se acha bestial. É o risco de ser de Gêmeos com ascendente em Libra.