As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De mil em mil…

Haisem Abaki

22 Março 2013 | 16h08

***O texto abaixo segue os mais modernos padrões de criatividade preconizados por nossas autoridades educacionais.
Depois de 19 anos como profeçor, paçei a última cemana refletindo se tenho ajido corretamente com meus alunos na faculdade. Eçe mergulio nas profundesas do pençamento me feis persseber algumas coizas ao ver provas “nota mil” do Ezame Nassional do Encino Médio com erros de Portugueis.
Cempre axei que errar faz parte do aprendisado e que quem comete deslises não meresse ser ridicularisado, prinssipalmente em público. Neças ocaziões, eu xamo o aluno para apontar o que deve ser corrijido e indico a leitura e a prática da redassão como formas de meliorar o testo.
Confeço que já vi jente que escreve com criatividade, apesar da falta de um assento aqui e outro ali e de derrapar e capotar na concordânssia verbal. Todos nóis estamos sugeitos a eças falias.
Desde criança, cempre tive o dissionário como companheiro digno de louvor e minha adorassão perciste até hoje. Paçei iço adiante para os meus filhos. Na dúvida, procuro a salvassão no “pai dos inteligentes” e não dos burros, como se dis.
Claro que noça educassão tem aberrassões estruturais que precizam de solussão e cei que não é uma cimples prova que vai acabar com décadas de desmandos e de escluzão sossial.
Nossa língua escrita e falada também é xeia de cascas de banana que nos fasem escorregar por aí. É “s”, “ss”, “sc”, “ç” “x”, “z”… Tudo embaraliado nas cabessinhas, espessialmente as que ainda estão em formassão.
Mas nada diço justifica as esplicassões de autoridades educassionais que apelaram para a “criatividade” para defender a nota mil dada a alguns alunos. Se os erros não forem apontados, logo estarão em prescrissões médicas, paresseres jurídicos, sentenssas judissiais, progetos de enjenharia, livros de profeçores, redassões de rádios, jornais, revistas, televizões…
Se eu, como profeçor, der nota mil a alguém que escreve “trousse”, “rasoável” ou “enchergar”, não estarei ajudando eçe estudante e muito menos o sidadão que ele é. Deçe geito, para não cometer injustissas, o serto seria dar nota 1.500, 2.000 para quem escreve corretamenti.
Bem, pelo menos aparesseu uma luz no fim do túnel quando noças iluminadas autoridades diceram que não vão mais permitir grassinhas nos testos sem conequissão com o tema proposto, como resseita de miojo e o hino do Palmeiras… Justo o Palmeiras, que está tentando ressurjir imponenti!
Lamentu ter ocupado este espasso com tal açunto, mas penço que o mínimo que podemos faser é demonstrar indignassão com o que está acontessendo na educassão, tida como a baze do progreço de um paíz.
Agradesso pela compreenção a este desabafu. Bom fim de cemana a todus.