As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A soma de todos os atos

Haisem Abaki

28 Junho 2013 | 10h52

Na rua começa um ato
Tirando de casa um público novato
Ainda sem o costume de protestar de fato
A galera cresce e a imprensa faz o relato
São vinte centavos de imenso impacto
E a manifestação se transforma em espalhafato
Nem os analistas conseguem explicar de imediato
Na visão das autoridades é quase um desacato
E a polícia monta um grande aparato
Mas balas de borracha e bombas só insuflam o alunato
No meio da correria sempre aparece algum insensato
A quebradeira provoca estupefato
Os mal-intencionados passam adiante o medo e o boato
E se escondem mascarados no anonimato
O governante reage e diz: esse aumento eu não desato
Só que cada vez chega mais gente com um assunto correlato
São vários protestos no asfalto e em rede social a jato
E o país da bola ganha no mundo outro estrelato
A invasão da rua tira a atenção do campeonato
Reclama-se do imposto ingrato
Do serviço público que é caricato
E da corrupção roedora como rato
O hino e a bandeira viram símbolos de um povo menos cordato
Os donos do poder se preocupam com o mandato
Abrem mão do anel para conservar o dedo intacto
E o transporte fica mais barato
Mas a essa altura já não basta o desconto exato
O cidadão quer mais e deixa de ser tão pacato
Nas altas esferas o discurso é abstrato
E a multidão segue gastando sola de sapato
Sobrou pra todo mundo do petismo ao tucanato
O marqueteiro saca que é hora de ter mais tato
E logo sugere um aceno para contato
Em tom solene a boa vontade se resume em pacto
Tudo é colocado de uma vez no prato
O Congresso trabalha freneticamente e põe fim ao hiato
Fazendo o bem até de madrugada com cara de beato
Mas teve deputado mudando de posição com jeito de gaiato
Agora é trombeteada uma reforma política de fino trato
A ideia sai da manga como se fosse um artefato
Talvez pra acabar com alianças que parecem estelionato
E cogita-se financiamento público pra candidato
Por isso é bom manter o alerta e ser muito chato
Olho vivo nas promessas e nas contas do extrato
E chega de pagar o pato