São Silvestre de manhã só serve para “detonar” o réveillon da Paulista

Geraldo Nunes

29 Dezembro 2014 | 06h24

Todas as culturas possuem calendários anuais, daí a diferenciação entre ano – novo chinês, ano – novo judaico e o nosso que é o ano – novo romano.

A comemoração ocidental tem origem num decreto do governador romano Júlio César, que fixou o 1º de janeiro como o Dia do Ano-Novo, em 46 a.C.

Os romanos dedicavam esse dia a Jano, o deus dos portões. O mês de Janeiro, deriva do mesmo nome Jano, que tinha duas faces: uma voltada para frente e a outra para trás.

A celebração chamada de “réveillon”, vem de um termo francês oriundo do verbo “réveiller”, que significa “despertar”. Uma das maiores festas de réveillon do mundo é a de Copacabana no Rio de Janeiro.

A festa oficial montada pela prefeitura do Rio é cercada de shows e atrativos à beira mar com a duração de 8 horas e o ápice da comemoração é a queima de fogos à meia – noite, para marcar o início do Ano – Novo. São cerca de 20 minutos de foguetório em multicores.

De fato é um belo espetáculo com 30 mil fogos de artifício detonados de oito balsas atracadas a 360 metros da areia, levando à praia mais de dois milhões de pessoas, boa parte turistas estrangeiros que visitam o Brasil, por ocasião da virada de ano.

Por recomendação das agências de viagem quase todos vestem roupas brancas, por sinal um costume brasileiro.

Em São Paulo também há queima de fogos no réveillon da Avenida Paulista, mas a festa perdeu a graça depois que afastaram a corrida de São Silvestre do convívio com a população que comparece para assistir aos shows programados.

Desde 2012 a corrida de São Silvestre passou a acontecer de manhã com a largada feminina saindo às 8 horas e a prova masculina às 9 horas. Isso quebrou o gosto pelo réveillon paulistano.

Mesmo antes quando a prova já havia deixado o período noturno, acontecendo à tarde, boa parte de quem não pertencesse ao “pelotão de elite” ficava depois na Paulista.

Existem aqueles que participam da São Silvestre por brincadeira e correm fantasiados de Elvis Presley, Michael Jackson, Raul Seixas, Pelé, Ronaldinho Gaúcho, etc.

Eles enriquecem o espetáculo que a corrida oferece, misturando esporte e carnaval. Esse pessoal ficava para o réveillon, mas agora isso não é mais possível. Dizem que correr de manhã é mais saudável do que à tarde.

Pode ser, mas a festa pública do réveillon de São Paulo foi “detonada” 12 horas antes do primeiro rojão do Ano – Novo explodir pelos próprios “organizadores”.

Mas como a vida não se resume ao réveillon, Feliz Ano – Novo.