Jogadores com nome de bicho fazem parte da história do São Paulo

Geraldo Nunes

06 Julho 2015 | 03h28

Contamos essa curiosidade no programa Estadão Acervo aqui pela Rádio Estadão em FM 92,9: O São Paulo é o campeão de jogadores cujo apelido lembra um animal e isso não é de agora. Hoje no elenco são – paulino jogam Paulo Henrique Ganso e Alexandre Pato, mas o clube do Morumbi um dia teve também um Marreco. É o lendário Amaury Epaminondas Junqueira, carinhosamente conhecido por “Marreco”, ex-meia-direita do São Paulo, jogou a decisão do Campeonato Paulista de 1957 e sagrou-se campeão vencendo o Corinthians por 3 x 1. Ele marcou o primeiro gol. Outros dois jogadores com apelidos da mesma espécie animal vestiriam a camisa tricolor, muitos anos depois e com salários bem maiores que o dele, mas decepcionariam a torcida por não conquistarem títulos e jogando mal em partidas contra adversários diretos.

No mundo animal, os patos, gansos e marrecos foram domesticados há séculos pelo homem e como aves possuem uma relação de parentesco tão próxima que são classificadas como membros de uma mesma família, a Anatidae. Em comum, patos, gansos, marrecos e cisnes têm a capacidade de flutuar sobre a água e a habilidade para nadar – apesar dos gansos normalmente preferirem ficar em terra firme. Dentro do quarteto, os patos são os mais numerosos, dividindo-se em mais de 90 espécies. Os marrecos são tão parecidos com eles que alguns biólogos os consideram da mesma espécie, apesar de haver uma diferença anatômica no bico desses dois tipos de aves.

Alexandre Rodrigues da Silva, mais conhecido como Alexandre Pato, leva esse apelido por ter nascido em Pato Branco – PR, a 2 de setembro de 1989. Ele foi para o São Paulo, emprestado pelo Corinthians que o adquiriu junto ao Milan por €$15 milhões, numa das mais caras transações já feitas no futebol brasileiro. Não se deu bem com a torcida alvinegra e atualmente o salário do jogador, em torno dos R$ 400 mil mensais é rachado metade a metade entre Corinthians e São Paulo.

Paulo Henrique de Chagas Lima, conhecido como Paulo Henrique Ganso, nasceu em Ananindeua – PA, a 12 de outubro de 1989 e integrou as categorias de base do Paysandu de Belém e depois se transferiu para o Santos FC onde brilhou ao lado de Neymar conquistando vários títulos, inclusive a Copa Libertadores da América. Entretanto passou por cirurgias no joelho e no São Paulo não teve o mesmo rendimento, mas custou caro ao time sãopaulino. Após uma longa negociação, o São Paulo anunciou a contratação do meia na madrugada de 21 de setembro de 2012, pagando um valor total de €$10 milhões ou R$ 23,9 milhões ao Santos. Ganso é titular jogando com a camisa 10 no tricolor. Sua estreia no clube ocorreu em 25 de novembro de 2012, na partida contra o Náutico no Morumbi, com um público de 62.207 pessoas.

Antes de ir para o São Paulo, Amaury Epaminondas Junqueira, o Amaury Marreco, nascido em Barretos – SP, a 25 de dezembro de 1935, teve rápida passagem pelo Vasco e em 1957 chegou ao “Mais Querido” ficando até 1961 virando ídolo da torcida porque era goleador. Nos 112 jogos em que vestiu a camisa do time do Morumbi foram 56 vitórias, 29 empates e 27 derrotas, com 68 gols marcados. Atuou inclusive na partida de inauguração do Morumbi em 1960, diante do Sporting de Portugal, onde o time venceu por 1 x 0, gol de outro “integrante do mundo animal”, o jogador Peixinho. Também já passaram pelo São Paulo os volantes Edson Cegonha e Alexandre Gallo, além de um lateral direito de sobrenome Pavão. Quanto a Marreco maiores dados sobre ele constam no “Almanaque do São Paulo”, de Alexandre da Costa.

Apesar de não ter conquistado títulos em 1958, foi seu melhor ano no São Paulo. Em 60 jogos marcou 44 gols, sendo o artilheiro da equipe na temporada com uma excelente média de 0,73 gols por jogo. Ao deixar tricolor Amaury Marreco seguiu para o futebol mexicano, tendo boas passagens pelo Oro Jalisco (1962/65) e pelo Toluca (1966/68). Marreco continua vivo, morando no México e em 2010, visitou Barretos, onde iniciou sua carreira, e participou de um programa na Rádio Independente – AM 1010 – Mundo dos Esportes, produzido e apresentado pelo advogado e radialista, José Maria dos Santos. Foi por ele que chegaram as curiosas informações desse jogador que brilhou em gramados brasileiros no passado.
Em Barretos, sua cidade natal, Amaury Marreco disputou o Campeonato Amador Varzeano, sendo descoberto por um olheiro que o levou para o futebol cerarense onde se profissionalizou, jogando pela equipe do Fortaleza. Depois passou pelo Vasco, Taubaté e São Paulo se consagrando como goleador. No México foi artilheiro por vários anos nas equipes onde passou. Ao encerrar a carreira voltou ao Brasil onde foi técnico do Barretos Esporte Clube, depois retornou a Toluca, no México e lá reside até hoje. Ele está com 79 anos e fala com carinho do tricolor e da inauguração do Morumbi quando atuou no time principal. Assim, além dos atuais jogadores Pato e Ganso, o São Paulo FC também já teve Marreco, Peixinho, Cegonha, Ratinho, Piau (peixe), Galo e Pavão. Todos ganharam títulos menos os atuais “craques” são-paulinos.

Outros clubes:

Com relação às demais equipes há também uma lista enorme de jogadores com nome de bicho. Dá até para montar uma seleção. Conheça alguns nomes:

O goleiro é Aranha, que joga atualmente no Palmeiras. O lateral direito é Coelho, que passou pelo Corinthians. Os zagueiros são Edson e Eduardo Ratinho e o lateral esquerdo é Júnior Urso, que atualmente joga na China.
No meio campo, Walter Minhoca que está no CRB de Alagoas e Neto Coruja no Vitória da Bahia. No ataque jogam Flávio Caça Rato, ídolo no Santa Cruz de Recife, Kerlon Foquinha que passou pelo Cruzeiro e um outro atacante é Max Pardalzinho que jogou no Palmeiras, além de Roberto Jacaré que está no ASA de Arapiraca. O mais famoso jogador com nome de bicho foi Mané Garrincha, um pássaro de canto muito bonito que brilhou no Botafogo e na Seleção Brasileira.

Outros jogadores lembrados foram: Donizete Pantera, do Botafogo; Claudio Pitbull do Corinthians e Roberto Cavalo que jogou no Guarani.
Esses já encerraram a carreira. O futebol também faz parte do “Mundo Animal” e se você se lembrar de algum outro nome envie para mim: geraldo.nunes@estadao.com