Panetone da imprensa

Estadão

30 Novembro 2009 | 11h28

As escutas da Polícia Federal sobre o esquema de propina no governo do Distrito Federal flagrou jornalistas na lista de pagamento. O grupo foi batizado de “Inteligência de campanha” e recebia a “verbinha” para panetones. Pelo menos cinco jornalistas participaram do esquema criminoso envolvendo o governador José Roberto Arruda (DEM). Os relatórios da PF mostram que “essas últimas pessoas, chamadas de “Inteligência de campanha” eram pagas por meio do contrato da Codeplan com a Linknet, sendo que os três últimos recebiam R$ 10 mil reais mensais e os dois primeiros recebiam, respectivamente, R$ 5 mil e R$ 6 mil reais mensais. Que as cinco pessoas permaneceram contratadas durante os três, de dezembro de 2003 a dezembro de 2006, sendo que a partir de junho de 2005 passou a ser despendido mais R$ 40 mil reais mensais para os chamados jornais alternativos”.